CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Economia

Economistas apostam em deflação em junho e projetam queda nos preços

Expectativa de redução nos preços dos carros e inflação controlada nos alimentos impulsionam previsões de deflação para junho, segundo economistas

Imagem Thumbnail
(Foto: Geraldo Bubniak/Ag. Brasil)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 — No âmbito econômico, cresce a aposta entre os economistas de que o Brasil pode registrar deflação em junho. Impulsionados por uma série de fatores, como a previsão de queda nos preços dos automóveis e uma inflação controlada nos alimentos, especialistas vislumbram a possibilidade de uma queda mensal no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), algo que não ocorre desde setembro de 2022.

As informações são do Valor.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O otimismo dos economistas foi impulsionado pelos resultados surpreendentemente positivos do IPCA de maio, que mostrou uma alta menor do que o esperado. Os dados do IPCA-15 de maio já haviam indicado uma tendência de desaceleração dos preços, registrando um aumento de apenas 0,51%, abaixo das expectativas. A confirmação veio com o resultado final do IPCA de maio, que apresentou uma alta de apenas 0,23%, muito abaixo da projeção de 0,33%.

Esses resultados levaram várias instituições a revisarem suas estimativas para o IPCA de 2023, aproximando-as de 5% ou até mesmo abaixo desse valor. Instituições como o Credit Suisse, BRCG, UBS BB, MB Associados, Banco Original, Barclays, LCA Consultores e G5 Partners reduziram suas projeções para a inflação.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Os economistas destacam que a abertura do IPCA demonstrou uma melhora na composição dos preços. Andréa Angelo, economista-chefe para inflação da Warren Rena, afirmou que a casa revisou sua projeção para o ano de 5% para 4,8% e espera uma deflação de 0,09% em junho. O Barclays estima que o índice fique próximo de zero no mês.

Essas projeções estão baseadas na expectativa de uma possível deflação nos alimentos em domicílio, impulsionada pela produção recorde e pela queda dos preços agrícolas no atacado. Além disso, esperam-se variações negativas nos preços dos transportes, devido a um programa governamental que prevê a redução temporária nos preços de alguns veículos novos.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

No entanto, os economistas ressaltam que ainda há incertezas sobre o impacto total desse programa nos índices de inflação nos próximos meses. Porém, acredita-se que sua natureza temporária deve ter efeitos neutros em 2023.

Apesar das expectativas de deflação, os especialistas alertam para possíveis riscos, como a recente mudança no cálculo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre a gasolina, que pode influenciar os preços dos combustíveis nas próximas semanas. Além disso, a reoneração total dos impostos federais, prevista para julho, também pode impactar a inflação.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Junho deverá representar o ponto mais baixo da inflação acumulada em 12 meses, passando de 3,94% em maio para 3,12%, segundo as estimativas da Warren Rena. No entanto, espera-se uma retomada da inflação, chegando a 4,04% em julho e voltando a ultrapassar 5% em setembro, conforme os cortes de impostos eleitoreiros realizados no ano anterior deixarem de impactar os índices.

A possibilidade de deflação em junho desperta atenção e pode beneficiar os consumidores, que poderão encontrar preços mais baixos em diversos setores. No entanto, os economistas ressaltam a importância de acompanhar de perto os indicadores econômicos e os possíveis impactos das políticas governamentais na inflação nos próximos meses.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO