CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Economia

Em reunião dura no Planalto, Jean Paul Prates foi cobrado a ajustar o rumo da Petrobras

No encontro com o presidente Lula e os ministros Fernando Haddad, Rui Costa e Alexandre Silveira, ele recebeu várias cobranças; saiba quais

(Foto: Reuters | ABR )
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 – No mesmo dia em que uma pesquisa apontou pequena queda na aprovação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente da Petrobrás, Jean Paul Prates, foi chamado para uma reunião de emergência em Brasília. No encontro, além do presidente, estiveram presentes os ministros Fernando Haddad, da Fazenda, Rui Costa, da Casa Civil, e Alexandre Silveira, de Minas e Energia. Foi praticamente consensual a avaliação de que Prates pode entregar melhores resultados para o governo Lula e de que a valorização dos papéis da companhia na B3 não deve ser o único parâmetro de avaliação.

As principais queixas podem ser divididas em quatro tópicos:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
  • Preço dos combustíveis – A avaliação do governo é de que há espaço para redução dos preços da gasolina e do diesel, especialmente porque houve queda no preço do barril do petróleo e também na cotação do dólar. E os preços dos combustíveis têm impacto direto na inflação – o que contribuiria para uma queda maior dos juros.
  • Distribuição de dividendos – Há também uma percepção de que a Petrobrás ainda está com uma política excessivamente generosa de dividendos em relação a seus acionistas minoritários. Não tão escandalosa como nos governos Temer e Bolsonaro, mas ainda assim acima do que seria necessário para remunerar os investidores da empresa.
  • Plano de investimentos – Na avaliação do governo, o plano de investimentos da empresa para os próximos anos pode ser melhorado, com maior foco na área de petróleo e gás, e um destaque menor para energia eólica, uma área em que Prates tem grande expertise.
  • Conteúdo nacional – Para o presidente Lula, é também uma questão de honra a retomada de grandes investimentos na indústria naval brasileira, que é grande empregadora. Tais investimentos dependem essencialmente de uma política de compras da Petrobras mais comprometida com o conteúdo nacional.

As cobranças não foram propriamente um cartão amarelo e são falsas as informações publicadas pelo jornal O Globo, dando conta de que o ministro Rui Costa já teria escolhido um substituto para Prates. Mas o recado foi claro: o governo espera de Prates uma Petrobras mais comprometida com o plano de governo apresentado por Lula na campanha presidencial.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO