Em três anos de Lava Jato, 740 mil demissões

Em três anos de operação, a Lava Jato deixou um rastro de 740 mil demissões; cerca de 300 mil nas empreiteiras envolvidas — Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Engevix, Queiroz Galvão e UTC; o resultado, de acordo com levantamento do Valor Econômico, representa um duro golpe no setor e na economia brasileira; em termos absolutos, o saldo mais negativo foi o da Andrade Gutierrez, que fechou 144,9 mil dos 251,9 mil postos que mantinha em 2013; como os resultados de 2016 ainda não foram totalmente divulgados, é possível que tenha havido ainda mais demissões; no setor de óleo e gás, outro que reduziu drasticamente seu tamanho com a Lava Jato, a Associação das Empresas de Serviços de Petróleo estima que a atividade perdeu 440 mil empregos entre 2013 e 2016

Em três anos de operação, a Lava Jato deixou um rastro de 740 mil demissões; cerca de 300 mil nas empreiteiras envolvidas — Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Engevix, Queiroz Galvão e UTC; o resultado, de acordo com levantamento do Valor Econômico, representa um duro golpe no setor e na economia brasileira; em termos absolutos, o saldo mais negativo foi o da Andrade Gutierrez, que fechou 144,9 mil dos 251,9 mil postos que mantinha em 2013; como os resultados de 2016 ainda não foram totalmente divulgados, é possível que tenha havido ainda mais demissões; no setor de óleo e gás, outro que reduziu drasticamente seu tamanho com a Lava Jato, a Associação das Empresas de Serviços de Petróleo estima que a atividade perdeu 440 mil empregos entre 2013 e 2016
Em três anos de operação, a Lava Jato deixou um rastro de 740 mil demissões; cerca de 300 mil nas empreiteiras envolvidas — Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Engevix, Queiroz Galvão e UTC; o resultado, de acordo com levantamento do Valor Econômico, representa um duro golpe no setor e na economia brasileira; em termos absolutos, o saldo mais negativo foi o da Andrade Gutierrez, que fechou 144,9 mil dos 251,9 mil postos que mantinha em 2013; como os resultados de 2016 ainda não foram totalmente divulgados, é possível que tenha havido ainda mais demissões; no setor de óleo e gás, outro que reduziu drasticamente seu tamanho com a Lava Jato, a Associação das Empresas de Serviços de Petróleo estima que a atividade perdeu 440 mil empregos entre 2013 e 2016 (Foto: Giuliana Miranda)

247 - Em três anos de operação, a Lava Jato deixou um rastro de 740 mil demissões; cerca de 300 mil nas empreiteiras envolvidas — Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Engevix, Queiroz Galvão e UTC.

Só na Odebrecht, cerca de 100 mil funcionários foram mandados embora desde que a operação teve início.

Como as informações referentes a 2016 estão disponíveis para apenas parte do grupo - Andrade, UTC e Engevix enviaram números atualizados e os dados da Odebrecht foram coletados com fontes do setor - o saldo negativo é certamente superior. Para efeito de comparação, a Associação das Empresas de Serviços de Petróleo estima que o setor de óleo e gás, outro que reduziu drasticamente de tamanho desde o início da operação, perdeu 440 mil empregos entre 2013 e 2016.

As informações são de reportagem do Valor.

"Proporcionalmente, o maior corte foi feito pela Engevix, que reduziu o quadro de funcionários de 3,5 mil para 469, queda de mais de 80%. Em termos absolutos, o saldo mais negativo foi o da Andrade Gutierrez, que fechou 144,9 mil dos 251,9 mil postos que mantinha em 2013. A assessoria de imprensa da empresa ressalta que a estimativa para o dado fechado de 2016 é parcial, e que a redução de pessoal entre 20% e 25% na comparação com 2015 inclui desinvestimentos e vendas de ativos feitos pelo grupo no ano passado.

Na UTC, o volume de colaboradores encolheu de 27,4 mil em 2013 para 8,3 mil no ano passado, queda de 70%. O grupo Odebrecht reduziu o quadro a 85 mil em 2016, depois de registrar 181,5 mil contratados em 2013, entre engenheiros, profissionais de recursos humanos, de áreas administrativas e trabalhadores da construção civil. O número, contudo, não é oficial.

Procurada, a empresa afirmou que o último dado disponível é o de 2015. 'Nos últimos três anos houve forte impacto da crise econômica sobre as empresas e o emprego no Brasil. O PIB teve queda acumulada de 7,2% apenas de 2015 para cá. O resultado é que hoje temos no país 13 milhões de desempregados. A crise repercutiu de forma diferente em cada empresa e em cada setor da economia. Em alguns casos, houve mesmo desligamentos por aumento de produtividade, venda de empresas e mudança de rumo de políticas públicas. Em outros houve até expansão de negócios e contratações. Ainda estamos fazendo um levantamento desses impactos', diz a nota." 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247