Embraer é questionada na OMC

Japo quer entrar no mercado de jatos e reclama de incentivos fiscais e emprstimos do BNDES fabricante brasileira

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247_com informações da AE - A Embraer conquistou destaque de alta no mercado de ações brasileiro na manhã desta terça-feira (3), após a divulgação do balanço do primeiro trimestre de 2011. O lucro líquido da companhia teve uma espetacular alta de 295% com o resultado de R$ 174 milhões, na comparação com o mesmo período do ano passado.

O resultado foi beneficiado por um crédito fiscal devido ao efeito da variação cambial sobre o cálculo do Imposto de Renda e Contribuição Social da empresa. Somente neste trimestre, o ajuste resultou em receita de R$ 4,2 milhões para a Embraer, enquanto que, no mesmo intervalo no ano passado, gerou uma despesa de R$ 88,1 milhões.

Incentivos fiscais como este são questionados pelo Japão junto à OMC, Organização Mundial do Comércio. O Japão cobra explicações sobre o financiamento às exportações dos jatos da Embraer e, mais uma vez, os países ricos questionam a política industrial do país. Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão querem esclarecimentos sobre a legalidade de instrumentos como o BNDES, programas de incentivo e isenção de impostos.

O tema entra na agenda da OMC nesta terça-feira e o embaixador do Brasil em Genebra, Roberto Azevedo, disse que o Itamaraty já respondeu a quase todas as questões por escrito antes da reunião. As perguntas do Japão, por terem sido enviadas há apenas dez dias, ainda estão sendo respondidas. O governo do Japão quer saber, por exemplo, como programas de isenção de impostos e PIS/Cofins e outros benefícios industriais têm ajudado as exportações da Embraer.

O Japão está se preparando para uma ambiciosa entrada no mercado de jatos regionais, dominado atualmente por Brasil e Canadá. Até 2014, deverá lançar um jato com capacidade para 92 pessoas. Mas, quatro anos antes de entrar em operação, já recebeu 200 encomendas. Um dos focos da empresa japonesa é abocanhar um terço do mercado japonês no médio prazo, reduzindo a margem de mercado da Embraer.

O pedido japonês vem poucos meses depois que o Brasil questionou na OMC os subsídios do Japão ao setor de jatos. O Brasil enviou um questionário ao Japão para que explique o dinheiro dado pelo governo à Mitsubishi Regional Jet. Para o governo brasileiro, há a suspeita de que a ajuda do governo não está dentro das regras da OMC e prejudicará as exportações da Embraer.

Queda no caixa operacional

Apesar do lucro excepcional da Embraer no primeiro trimestre do ano, a empresa registrou menor geração operacional de caixa com R$ 822,2 milhões. A explicação é o aumento dos estoques e das contas a receber.

Os estoques aumentaram R$ 507,5 milhões e totalizaram R$ 4,170 bilhões, "por conta do maior número esperado de entregas de aeronaves para os próximos trimestres de 2011", segundo a companhia.

Devido às atividades operacionais do dia a dia, houve uma ampliação nas dívidas de curto prazo, elevando o endividamento de R$ 2,390 bilhões, nos últimos três meses de 2010, para R$ 2,465 bilhões no primeiro trimestre de 201.

A receita líquida da fabricante brasileira de aeronaves teve redução. Caiu para R$ 1,757 bilhão no período de R$ 1,783 bilhão registrado no primeiro trimestre de 2010.

A Embraer entregou 20 aeronaves comerciais e oito aviões executivos (seis jatos leves e dois jatos grandes) no primeiro trimestre de 2011. No período a carteira de pedidos aumentou US$ 400 milhões, somando US$ 16 bilhões.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email