Empreiteiras envolvidas na Lava Jato pedem chance de retomada

Empreiteiras envolvidas no escândalo da Lava Jato pedem ao governo uma chance de retomada do setor de construção no Brasil; segundo as empresas, isso depende mais da reativação econômica e priorização de investimentos públicos e privados em infraestrutura do que delas próprias; de setembro de 2014 a setembro de 2017, houve uma queda de 39% das vagas na construção pesada: sumiram do mapa 433 mil empregos formais, e o nível de emprego recuou dez anos; é o maior tombo da história em um triênio numa área vital para a economia que influencia outros 62 segmentos

Sede Odebrecht
Sede Odebrecht (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Com as carteiras de obras mais magras do que nunca, empreiteiras investigadas na Lava-Jato avaliam que já fizeram a lição de casa e defendem medidas para a retomada da construção pesada, mergulhada em seu pior momento e sem perspectiva de recuperação a curto prazo.

Segundo as empresas, isso depende mais da reativação econômica e priorização de investimentos públicos e privados em infraestrutura do que delas próprias.

"Empresas que já assumiram responsabilidade no processo, negociaram acordos de leniência, viraram a página e endereçaram uma agenda de negócios de transparência, ética e integridade merecem por parte da sociedade e clientes um apoio para retomada das operações", disse Fábio Januário, presidente da divisão de infraestrutura da Odebrecht Engenharia e Construção (OEC). A carteira de contratos da OEC é hoje de US$ 15 bilhões, menos da metade do que era no fim de 2014, primeiro ano da Lava-Jato e quando a crise econômica se acirrou.

Além da Lava-Jato, a penúria fiscal minguou o espaço no orçamento de União e Estados para as obras públicas, principal mercado das empreiteiras. O resultado é que de setembro de 2014 a setembro de 2017 houve uma queda de 39% das vagas na construção pesada: sumiram do mapa 433 mil empregos formais. O nível de emprego recuou dez anos. É o maior tombo da história em um triênio numa área vital para a economia que influencia outros 62 segmentos.

As informações são de reportagem de Fernanda Pires e Rodrigo Polito no Valor.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247