Enquanto seu país afunda, premiê espanhol ameaça América Latina

Mariano Rajoy diz que estatizao da YPF pode afetar todo o continente; enquanto isso, bolsa de Madri derrete com relatrio que aponta calote recorde nos bancos espanhis

Enquanto seu país afunda, premiê espanhol ameaça América Latina
Enquanto seu país afunda, premiê espanhol ameaça América Latina (Foto: REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Os espanhóis vivem hoje um problema agudo de percepção da realidade. Ontem, quando a Argentina anunciou seu plano de reestatizar a petroleira YPF, retomando o controle que hoje está em poder da espanhola Repsol, o governo do primeiro-ministro Mariano Rajoy prometeu retaliações e disse que a decisão argentina terá impactos em toda a América Latina.

No entanto, quem está afundando é a própria Espanha. Nesta manhã, o índice da bolsa de valores de Madri derretia. Caía 3,5, acumulando desvalorização de quase 30% no ano. O motivo: nunca os bancos espanhóis tiveram tantos créditos podres como agora. A taxa de inadimplência, que se situava abaixo de 1% em 2007, bateu em 8,16% - o maior índice de desde 1994.

Os dados fazem parte de um relatório do Banco da Espanha, o banco central espanhol, divulgado nesta quarta-feira. Ao todo, os créditos podres das instituições financeiras do país, contaminado pela maior bolha imobiliária da Europa, somam 143 bilhões de euros, segundo o relatório.

Esta situação tem alimentado rumores de que o banco Santander no Brasil poderá ser comprado tanto pelo Banco do Brasil como pelo Bradesco. A conferir.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email