Equipe de Guedes é contra recriar CPMF para bancar auxílio emergencial

O ministro Paulo Guedes defende que a continuidade do pagamento do auxílio emergencial precisa de compensada com o corte de gastos e não com o aumento de tributos

O ministro da Economia, Paulo Guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes (Foto: REUTERS/Adriano Machado.)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro da Economia, Paulo Guedes, tem dito em reuniões com a área política do governo que é contra a criação de um novo imposto, mesmo que temporário, para o governo continuar bancando o auxílio emergencial nesta pandemia. Nos últimos dias aumentou no governo a defesa de um imposto nos moldes da antiga CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) para bancar a ajuda aos mais desamparados. 

De acordo com o blog da Ana Flor, no portal G1, um integrante graduado do governo afirmou que a área econômica "compreendeu a urgência do auxílio, e a área política entendeu que é preciso sinalizar com uma contrapartida".

Guedes continuou defendendo que o pagamento do auxílio emergencial por mais alguns meses precisa de compensado com o corte de gastos e não com o aumento de tributos.

Jair Bolsonaro prometeu na campanha eleitoral de 2018 que não aumentaria os impostos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email