Estamos fadados a ABS e airbags como opcionais?

Temos que considerar que, se não fossem os importados, os preços dos nacionais estariam muito mais elevados e a demanda seria menor

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Acompanhei ontem (15/set) a coletiva do Ministro Mantega sobre a esdrúxula medida de elevar o IPI para os carros importados, em média 30%.

A argumentação de Mantega é que ele está preocupado com os empregos gerados pelas fabricantes “nacionais” em virtude dos elevados estoques. Mas, se os estoques estão elevados é porque a demanda está retraída, certo? Então, o que fazer para estimular a demanda, visto que 75% da aquisição de veículos é realizada por meio de financiamento?

A primeira resposta é reduzir os custos de financiamento e, nesse sentido, o governo deu o primeiro passo ao reduzir a taxa de juros básica. Porém, ainda é muito pouco. O governo deveria avançar na redução da elevadíssima alíquota dos depósitos compulsórios que, no Brasil, como a taxa de juros, também é a maior do mundo (43% sobre depósitos à vista) e que aumenta demasiadamente o custo de capital.

Temos que considerar que, se não fossem os importados, os preços dos nacionais estariam muito mais elevados e a demanda seria menor, refletindo na menor geração de emprego no setor. Inclusive porque a capacidade de produção doméstica é restrita pelo baixo volume de investimentos, principalmente na produção de insumos básicos, como, por exemplo, aços planos, borrachas (pneus), etc.

Por fim, não são os importados que estão emperrando a venda dos nacionais, mas sim a falta de estímulos a demanda via crédito, pois a classe média já se aproxima de 60% da população e a relação carro/habitante ainda é alta: 7,5/1. Além disso, temos que destacar a falta da qualidade dos carros nacionais, inclusive na área de segurança, pois, enquanto os importados oferecem ABS e Airbag como itens de série, parece que nós brasileiros estamos fadados aos nacionais que oferecem ABS e Airbag como “opcionais”, igualmente ao vidro elétrico e direção.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247