‘Estou convencido de que o Banco do Brasil deveria ser privatizado’, diz presidente da empresa

"Estou convencido que o Banco do Brasil deveria ser privatizado", afirmou Rubem Novaes, presidente do banco; "Está havendo um apoio crescentes das pessoas que pensam com mais responsabilidade sobre a economia do país. E agora a gente vai precisar muito desse apoio para avançar também na área de privatização, sobretudo do setor bancário", disse

‘Estou convencido de que o Banco do Brasil deveria ser privatizado’, diz presidente da empresa
‘Estou convencido de que o Banco do Brasil deveria ser privatizado’, diz presidente da empresa (Foto: Fabio Pozzebom - ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, disse nesta sexta-feira (15) que "está convencido" de que a empresa "deveria ser privatizada".

"Estou convencido que o Banco do Brasil deveria ser privatizado", afirmou ele durante evento no Rio de Janeiro. "No Banco do Brasil, me sinto de mão atadas. É como se tivesse bolas chumbo nas pernas para competir com os bancos privados."

De acordo com o dirigente, não está em cogitação nenhuma venda das grandes estatais do Brasil, como da Petrobrás, da Caixa Econômica Federal, e do Banco do Brasil. Mas reforçou que o País deveria bater nessa tecla porque essas companhias estariam "melhor na mão do setor privado".

"Está havendo um apoio crescentes das pessoas que pensam com mais responsabilidade sobre a economia do país. E agora a gente vai precisar muito desse apoio para avançar também na área de privatização, sobretudo do setor bancário", afirmou.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247