CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Economia

Exclusivo: Graça recebe plano para salvar a Petrobras

Ideia levada à presidente da estatal por investidores consiste em desfazer a capitalização realizada em 2010, que contribuiu para que a empresa perdesse cerca de R$ 180 bilhões do seu valor de mercado deste então; as reservas do pré-sal sairiam do balanço da empresa e passariam para o ativo de uma outra companhia, também controlada pelo Estado; nela, empresas internacionais de petróleo poderiam participar como minoritários e os limites para atuação do governo seriam mais restritos; Lula viu e gostou

Exclusivo: Graça recebe plano para salvar a Petrobras
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - Está nas mãos da presidente da Petrobras, Maria da Graça Foster, um plano que pode mudar, da água para o vinho, a percepção de investidores nacionais e internacionais em relação à companhia. Desde 2011, o desempenho da estatal vem sendo um dos principais pepinos do governo Dilma. Por mais que se atribua a culpa à gestão de José Sergio Gabrielli, o fato é que a produção de combustíveis no Brasil está em queda e a empresa perdeu cerca de R$ 180 bilhões em seu valor de mercado desde que, no fim de 2010, foi objeto de uma capitalização que colocou em seu balanço as reservas do pré-sal e diluiu os acionistas minoritários.

Na prática, o pedido dos investidores consiste em reverter a capitalização de 2010. As reservas do pré-sal sairiam do balanço da Petrobras, que não tem conseguido explorá-las, e passariam a constituir o ativo de uma nova empresa, que também seria controlada pelo governo federal. Esta nova empresa venderia suas ações no mercado acionário, mas antes convidaria empresas internacionais de petróleo a participar do esforço de exploração do pré-sal, como minoritários. Outro ponto importante é que, na "Petrobras do B", os limites para ação política seriam mais restritos, ficando vedadas, por exemplo, nomeações com critérios políticos.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Retirar as reservas do pré-sal da atual Petrobras já melhoraria, na visão desses investidores, o balanço da Petrobras, que hoje é percebida como uma empresa com alto grau de endividamento e baixa capacidade de investimento – e que corre o risco de perder seu "grau de investimento", que é a percepção de baixo risco conferida pelas agências.

Outro efeito colateral se daria em relação ao próprio governo Dilma, uma vez que o convite para que empresas internacionais participassem do esforço do pré-sal, participando do bloco acionário da "Petrobras do B", apagaria o discurso dos que criticam um governo excessivamente intervencionista. Além disso, o lançamento de ações de uma empresa com as reservas do pré-sal animaria a Bovespa, que vem tendo desempenho anêmico nos últimos meses.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Este plano já chegou às mãos do ex-presidente Lula, que viu e gostou. A tarefa, agora, é convencer Graça Foster e a presidente Dilma, mas o fato é que a Petrobras, com imagem ruim, fornecedores em crise e produção em queda, vem se transformando num argumento de campanha dos adversários do atual governo.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247,apoie por Pix,inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO