Fazenda nega ingerência na Vale

Ministro Guido Mantega diz que interesse do governo na gesto da mineradora "natural"



Rodolfo Borges_247, de Brasília – O ministro da Fazenda, Guido Mantega, negou em audiência pública da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado qualquer interferência do governo na queda do ex-presidente da Vale Roger Agnelli. “O que o senador chama de interferência é uma relação saudável”, respondeu o ministro aos questionamentos do senador Álvaro Dias (PR), líder do PSDB no Senado, que falou em denúncias de diretores da empresa sobre uma “venezuelização” da Vale. “Não escondo o interesse do governo de que se invista em minério, mas não houve interferência”, garantiu Mantega, lembrando que 60% da Vale são de Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, e BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico).

Segundo o ministro, o presidente Lula se incomodou com o atraso dos projetos siderúrgicos e de investimentos no Pará, ambos anunciados pela Vale, e com a demissão de 1,2 mil funcionários durante a crise econômica. “O presidente solicitou a todos os empresários, e não apenas à Vale, que evitassem demitir. E a Vale não só demitiu como o fez com barulho”, disse. Mantega disse que Lula poderia ter retaliado, mas apenas “demonstrou insatisfação publicamente”, e Agnelli ignorou. “Embora privada, e assim ela tem de permanecer, a Vale tem participação pública e é natural que o ministro se interesse", admitiu.

Sobre a mudança na presidência da empresa, o ministro atribuiu a decisão aos acionistas da Vale. “Os acionistas decidiram fazer uma mudança e acompanhei o processo de perto. Conversei com os acionistas e com a Previ. Eles se valeram dos serviços de um headhunter (para encontrar um sucessor), não houve indicação política”, disse, acrescentando que, dentro dos critérios estabelecidos, o resultado foi positivo. O ministro ainda admitiu ter interesse no lucro da empresa, pois parte do seu Fundo de Garantia por Tempo de Serviços (FGTS) está aplicado em ações da Vale.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email