Fazenda reconhece defasagem no preço da gasolina

Mas, segundo o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Antônio Henrique Silveira, não há decisão do governo sobre o reajuste. A defasagem, segundo ele, é de 7%

Fazenda reconhece defasagem no preço da gasolina
Fazenda reconhece defasagem no preço da gasolina
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

BRASÍLIA, 16 Jan (Reuters) - O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Antônio Henrique Silveira, afirmou nesta quarta-feira haver uma defasagem no preço da gasolina equivalente a 7 por cento, mas sustentou não haver decisão do governo sobre o reajuste.

Questionado se a mistura do etanol à gasolina, hoje em 20 por cento, poderia ser elevada para amenizar o efeito no preço praticado nas bombas, Silveira disse que "se ocorrer, será quando entrar safra", a partir de abril.

"É bom aguardar para ter mais segurança sobre o abastecimento", justificou o secretário.

Na terça-feira, o jornal "O Estado de São Paulo" publicou notícia informando que o governo deve elevar a gasolina em 7 por cento e o óleo diesel entre 4 e 5 por cento.

Silveira disse que "não há notícia de data" para o reajuste dos preços dos combustíveis, mas que a defasagem está na faixa da que foi informada pelo jornal.

Segundo ele, o impacto do aumento dos combustíveis na inflação "vai depender do ano e da intensidade".

Silveira falou a jornalistas antes de participar de seminário promovido pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

(Por Leonardo Goy)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email