FGV estima que quase 40 milhões ficarão desamparados com o fim do auxílio emergencial

O fim das parcelas do auxílio emergencial em dezembro deve deixar 38 milhões de brasileiros sem assistência. Os dados mostraram que mais da metade são trabalhadores informais (64%)

(Foto: Fotos: Agência Brasil)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - A Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgou um estudo apontando que o fim das parcelas do auxílio emergencial em dezembro deve deixar 38 milhões de brasileiros sem assistência. O número corresponde às pessoas que recebem o auxílio, mas não são cadastradas no programa Bolsa Família. De acordo com as estatísticas, os 38 milhões representam 61% dos beneficiados pela ajuda governamental. 

Os dados mostraram que mais da metade são trabalhadores informais (64%) e 74% deles têm renda até R$ 1.254. Na maioria dos casos são pessoas de baixa escolaridade, com no máximo o ensino fundamental (55%). As estatísticas foram publicadas em reportagem do jornal Folha de S.Paulo.

continua após o anúncio

Depois de ver a queda na sua popularidade estancar com o auxílio emergencial, o governo Bolsonaro tenta se aproximar dos mais pobres e se articula para implementar o programa Renda Brasil, ou Renda Cidadã, para substituir o Bolsa Família.

Mas a agenda atual manteve a PEC do Teto dos Gastos, aprovada no governo Michel Temer e que congelou investimentos públicos por 20 anos. Uma das discussões na equipe do ministro Paulo Guedes (Economia) é revogar ou não a proposta, com o objetivo de ter dinheiro para financiar o programa. Ou cortar verba de outros setores, como a educação. 

continua após o anúncio

O fim do auxílio deixará novamente em evidência um mercado consumidor fraco e, por consequência, a falta de demanda para atrair investidores. Enquanto Bolsonaro aposta na iniciativa privada para retomar o crescimento, o que não aconteceu, milhares de pessoas continuam sem direitos trabalhistas e sociais. Insegurança financeira e jurídica para o consumo dão a tônica de um País que virou apenas um "quintal" para estrangeiros ampliarem o imperialismo do século 21. 

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247