FHC já aponta risco de volta da inflação com Bolsonaro

"Também do ponto de vista da economia, o que mais me preocupa é a relativa omissão do governo. Juros muito baixos e descontrole fiscal podem levar rapidamente à inflação", diz o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso

(Foto: Reuters | PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que apoiou o golpe contra a ex-presidente Dilma Rousseff para abrir caminho para um novo choque neoliberal no Brasil, já antevê a volta da inflação no País. É este o risco que ele aponta no artigo que publicou neste domingo.

"A crer no que se sente e se lê nos jornais, pouco a pouco a situação econômica do País está piorando. Será? Não tenho certeza, mas assim parece. Os sinais pipocam de todos os lados. Quase no final da semana passada os índices da bolsa, para usar o jargão, 'desabaram' e o dólar foi a quase R$ 6", escreveu FHC.

No texto, o ex-presidente também parece sugerir a alta dos juros. "Além do mais, o Banco Central mantém os juros baixos. A taxa Selic foi definida pelo Copom em 2% para o ano, enquanto as próprias previsões 'do mercado' para a inflação (que nem sempre acerta...) já passam de 3%", anotou. "Do ponto de vista da economia, o que mais me preocupa é a relativa omissão do governo. Juros muito baixos e descontrole fiscal podem levar rapidamente à inflação. Só quem cuidou dela no passado sabe o quanto tal 'vírus' é danoso: arrasa tudo e liquida em pouco tempo o salário dos pobres, mais do que a capacidade ou o 'apetite' para investir dos mais afortunados."

FHC também antecipou uma nova crise política. "No fundo vivemos, e pior, mansamente, o início de uma crise política. Com o que se preocupa quem tem nas mãos as rédeas do poder? Ao parecer, mais com o que lhe toca diretamente, como a reeleição, ou com os familiares, do que com os sinais de alarme que já estão soando fortes... Deus queira que as minhas sejam preocupações vãs", pontuou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247