HOME > Economia

Fiesp abandona Bolsonaro e abraça manifesto pela democracia

Iniciativa partiu do presidente da Fiesp, Josué Gomes. Documento elaborado pela Faculdade de Direito da USP já tem adesões de banqueiros como Roberto Setúbal e Pedro Moreira Salles

Fiesp, Josué Gomes e Lula (Foto: Julia Moraes/Fiesp | ABR)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - A Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) vai assinar o manifesto em defesa da democracia e contra os arroubos autoritários de Jair Bolsonaro, que está sendo organizado na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

A iniciativa foi apresentada pelo presidente da Fiesp, Josué Gomes, e aprovada pela diretoria da entidade durante reunião nessa segunda-feira (25), segundo o jornal O Estado de S. Paulo. De acordo com relatos dos participantes, o empresário foi aplaudido pelos presentes ao anunciar que participaria, inclusive, da divulgação do ato que será realizado no dia 11 de agosto, pela defesa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do resultado das eleições deste ano.

Ao ratificar o compromisso com a defesa da democracia, a Fiesp se distancia de Jair Bolsonaro e na prática declara apoio ao ex-presidente Lula, que lidera todas as pesquisas de intenção de voto e pode vencer as eleições em primeiro turno.

>>> Roberto Setúbal e Pedro Moreira Salles, dois dos banqueiros mais poderosos do Brasil, assinam manifesto pela democracia

O texto será intitulado “em defesa da democracia” e deve ser publicado nos principais jornais do País, com assinatura de entidades da sociedade civil, como a Comissão Arns, e do empresariado, como a Fiesp. Há expectativa de que a Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústria de Base (Abdib) também assine o texto. O conteúdo é semelhante ao da nova carta aos brasileiros, mas em tom mais contido.

A Faculdade de Direito da USP irá divulgar nesta terça-feira, às 17h, a lista dos signatários à carta aos brasileiros. Entre os nomes que assinaram o texto estão o de Roberto Setubal e Cândido Bracher (Itaú Unibanco), representantes da indústria como Walter Schalka (Suzano) e de empresas de bens de consumo como Pedro Passos e Guilherme Leal (Natura), entre outros empresários, advogados, jornalistas e intelectuais. Dez ex-ministros do STF também assinam o texto.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: