Fiesp: desemprego alto e inflação baixa exigem corte mais rápido da Selic

"Mais uma vez o Banco Central cortou em apenas 1 ponto percentual a taxa básica de juros, a Selic, que foi para 8,25%. Com previsão de inflação de 3,31% no fim deste ano, sem dúvida há espaço para cortes mais incisivos da Selic", diz em nota o presidente da Fiesp, Paulo Skaf; "Os 13 milhões de brasileiros desempregados não podem esperar mais. Está na queda mais rápida da Selic a chave para acelerar o crescimento e a retomada do emprego", continua ele Skaf

Paulo Skaf
Paulo Skaf (Foto: Romulo Faro)

247 - "Mais uma vez o Banco Central cortou em apenas 1 ponto percentual a taxa básica de juros, a Selic, que foi para 8,25%. Com previsão de inflação de 3,31% no fim deste ano, sem dúvida há espaço para cortes mais incisivos da Selic", diz em nota o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf.

"A retomada da economia começa a se desenhar, mas ainda de maneira muito lenta. O Brasil tem pressa; os 13 milhões de brasileiros desempregados não podem esperar mais. Está na queda mais rápida da Selic a chave para acelerar o crescimento e a retomada do emprego", continua Skaf.

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247