Fim do auxílio emergencial promete piorar crescimento econômico e tirar R$ 112,6 bi dos mais pobres

No Norte e Nordeste, as cinco primeiro parcelas do benefício pago pelo governo contribuíram com uma alta média de 6.5% do PIB

Aplicativo auxílio emergencial do Governo Federal.
Aplicativo auxílio emergencial do Governo Federal. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O fim do auxílio emergencial deve jogar milhões de brasileiros na pobreza novamente. Em setembro, com o corte do benefício pelo governo de R$ 600 a R$ 300, a pobreza aumentou no país com cerca de 11,6 milhões de brasileiros.

Somente na região Sudeste, R$ 112,6 bilhões vão deixar de entrar no bolso de 26,4 milhões de brasileiros de baixa renda.

Além disso, o crescimento econômico do país vai piorar.

Com 4 em cada 10 brasileiros em idade de trabalho recebendo o benefício, a geração de riqueza durante o pagamento das cinco primeiro parcelas levou a uma alta de, em média, 6.5% nos estados do Norte e Nordeste. 

Os dados são da Folha de S.Paulo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email