Fundo americano pede falência da Oi

Aurelius entrou com um pedido junto ao Tribunal de Justiça de Amsterdã para abertura de um processo de falência da Oi Brasil Holdings Coöperatief U.A. (FinCo), subsidiária holandesa da companhia de telefonia brasileira Oi; a solicitação foi feita pela Syzygy Capital Mangement, gerida pelo Aurelius e que detém títulos emitidos pela FinCo, segundo comunicado do fundo desta segunda-feira

Aurelius entrou com um pedido junto ao Tribunal de Justiça de Amsterdã para abertura de um processo de falência da Oi Brasil Holdings Coöperatief U.A. (FinCo), subsidiária holandesa da companhia de telefonia brasileira Oi; a solicitação foi feita pela Syzygy Capital Mangement, gerida pelo Aurelius e que detém títulos emitidos pela FinCo, segundo comunicado do fundo desta segunda-feira
Aurelius entrou com um pedido junto ao Tribunal de Justiça de Amsterdã para abertura de um processo de falência da Oi Brasil Holdings Coöperatief U.A. (FinCo), subsidiária holandesa da companhia de telefonia brasileira Oi; a solicitação foi feita pela Syzygy Capital Mangement, gerida pelo Aurelius e que detém títulos emitidos pela FinCo, segundo comunicado do fundo desta segunda-feira (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O fundo americano Aurelius entrou com um pedido junto ao Tribunal de Justiça de Amsterdã para abertura de um processo de falência da Oi Brasil Holdings Coöperatief U.A. (FinCo), subsidiária holandesa da companhia de telefonia brasileira Oi.

A solicitação foi feita pela Syzygy Capital Mangement, gerida pelo Aurelius e que detém títulos emitidos pela FinCo, segundo comunicado do fundo desta segunda-feira.

Caso o pedido do Aurelius seja aceito, esses credores poderiam participar do processo de recuperação judicial iniciado pela companhia junto à Justiça no Brasil e investigar a gerência dos negócios da FinCo pelos atuais e ex-diretores.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247