Fundo dos Correios tem 'mico' de R$ 100 mi da CEF

Instituto Postalis cobra explicaes da Caixa presidida por Jorge Hereda sobre venda de ttulos chancelados como bons pelo banco e a auditoria KPMG, mas que esto 'onerados' e no podem ser colocados no mercado; banco Multiplic est com o mesmo problema; mico pode somar R$ 1 bi

Fundo dos Correios tem 'mico' de R$ 100 mi da CEF
Fundo dos Correios tem 'mico' de R$ 100 mi da CEF (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Evam Sena_247, em Brasília – Os dirigentes do Instituto de Seguridade Social dos Correios e Telégrafos (Postalis) classificam como “muito estranha” a venda, pela Caixa Econômica Federal, de títulos imobiliários que foram apresentados como livre de ônus, mas que, na verdade, estavam onerados do FCVS (Fundo de Compensação sobre Variações Salarias). Documentos internos do banco indicam uma possível fraude de R$ 1 bilhão, que teria prejudicado diretamente o Postalis e o banqueiro Antônio José Carneiro, dona do Multiplic. O fundo de pensão responsável pelas aposentadorias de dezenas de milhares de funcionários dos Correios comprou cerca de R$ 100 milhões desses papéis da Caixa. Agora, está com o chamado Mico - a carta que ninguém quer -- na mão.

Os títulos foram vendidos pela CEF como sendo livres de ônus. Isso é o que garantia parecer da própria Caixa atestado pela empresa de auditoria KPMG, que classificou com “duplo A”. O Instituto Postalis comprou os títulos no final de 2008 e, em maio deste ano, detectou que os papéis estavam onerados e não podiam ser sido repassados a terceiros. Na prática, não valem nada. A Caixa foi comunicada e, desde então, promove processo administrativo interno para avaliar as responsabilidades sobre o caso para só depois se comunicar.

Detentor de 4.456 contratos de crédito imobiliário em títulos do FCVS desde 2009, o banqueiro Antônio José Carneiro, titular do Banco Multiplic, também se viu envolvido no mesmo problemas em outubro e, como Brasil 247 noticiou em primeira mão, comunicou, por carta, o vice-presidente da Caixa Fábio Ferreira Cleto. O executivo repassou a questão internamente, informando diretamente o presidente Jorge Hereda sobre o caso. Em nota oficial, a Caixa confirmou a existência de uma apuração interna a respeito do problema.

O Postalis aguarda o posicionamento da Caixa para reagir e quer, no mínimo, os R$ 100 milhões de volta, com correção. O fundo de pensão não descarta entrar na justiça. Procurado por 247, o fundo respondeu por meio de nota oficial:

“O Postalis aguarda a manifestação da Caixa sobre o ocorrido para cobrar atitudes por parte dos responsáveis, no sentido de restabelecerem, no mínimo, o valor investido com a devida correção”, diz o instituto em nota. O banco Multiplica igualmente acena com a adoção de "todas as medidas legais e judiciais” em busca do ressarcimento para seus prejuízos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email