Globo faz novo ataque esquizofrênico ao BNDES

Jornal O Globo, dos irmãos Marinho, constata o óbvio: que as operações do BNDES, por serem subsidiadas, implicam "prejuízo" para o Tesouro Nacional, ainda que esse impacto seja questionável, em razão do fomento à exportação de bens e serviços por empresas brasileiras; no entanto, o jornal Valor, que também pertence aos Marinho, mas em sociedade com o grupo Folha, destaca na manchete que os empresários pedem "debate despolitizado" sobre o BNDES, comandado por Luciano Coutinho; "No governo Fernando Henrique Cardoso financiamos a construção do metrô de Caracas. Falta de coerência é falar mal disso agora", destacou Roberto Giannetti da Fonseca, que foi secretário do governo FHC; mas, e no Globo: há alguma coerência?

www.brasil247.com - Jornal O Globo, dos irmãos Marinho, constata o óbvio: que as operações do BNDES, por serem subsidiadas, implicam "prejuízo" para o Tesouro Nacional, ainda que esse impacto seja questionável, em razão do fomento à exportação de bens e serviços por empresas brasileiras; no entanto, o jornal Valor, que também pertence aos Marinho, mas em sociedade com o grupo Folha, destaca na manchete que os empresários pedem "debate despolitizado" sobre o BNDES, comandado por Luciano Coutinho; "No governo Fernando Henrique Cardoso financiamos a construção do metrô de Caracas. Falta de coerência é falar mal disso agora", destacou Roberto Giannetti da Fonseca, que foi secretário do governo FHC; mas, e no Globo: há alguma coerência?
Jornal O Globo, dos irmãos Marinho, constata o óbvio: que as operações do BNDES, por serem subsidiadas, implicam "prejuízo" para o Tesouro Nacional, ainda que esse impacto seja questionável, em razão do fomento à exportação de bens e serviços por empresas brasileiras; no entanto, o jornal Valor, que também pertence aos Marinho, mas em sociedade com o grupo Folha, destaca na manchete que os empresários pedem "debate despolitizado" sobre o BNDES, comandado por Luciano Coutinho; "No governo Fernando Henrique Cardoso financiamos a construção do metrô de Caracas. Falta de coerência é falar mal disso agora", destacou Roberto Giannetti da Fonseca, que foi secretário do governo FHC; mas, e no Globo: há alguma coerência? (Foto: Leonardo Attuch)


247 – Em qual braço editorial da família Marinho se deve acreditar: no jornal O Globo, que desde já faz campanha contra o chamado 'lulopetismo', ou no jornal Valor Econômico, que propõe um debate mais racional sobre temas econômicos?

Nesta terça-feira, o jornal O Globo dedica sua manchete ao BNDES e descobre um segredo de Polichinelo: as operações do BNDES, que são subsidiadas, implicam um "prejuízo" contábil ao Tesouro Nacional. Isso porque o Fundo de Amparo ao Trabalhador repassa recursos cobrando a taxa Libor ao banco, que os empresta a empresas, a taxas inferiores às de mercado.

Graças a esses financiamentos, que são comuns em vários países do mundo, como nos bancos de fomento à exportação dos Estados Unidos e do Japão, por exemplo, empresas ganham musculatura para participar de concorrências internacionais. Não por acaso, o Brasil tem viabilizado, nos últimos anos, altos volumes de exportações de bens e serviços, por meio de suas principais construtoras. Coincidência ou não, a revista Foreign Affairs, a bíblia da política externa global, destacou em sua mais recente edição o avanço das posições brasileiras na África, na América Latina e no Caribe nos últimos anos (saiba mais aqui).

É por isso mesmo que o presidente do BNDES defende que os custos fiscais das operações do banco sejam relativizados, em razão dos impactos nas exportações de bens e serviços – e também na geração de empregos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Essa linha é a que vem sendo adotado pelo braço editorial mais racional da família Marinho. Nesta terça, a capa é também dedicada ao BNDES, mas numa linha mais sensata e construtiva. O jornal destaca na manchete que os empresários pedem "debate despolitizado" sobre o BNDES, comandado por Luciano Coutinho.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Roberto Azeredo, diretor do Ministério das Relações Exteriores, lembrou que, entre 2008 e 2012, a China destinou US$ 45 bilhões para apoiar suas empresas no exterior – no Brasil, a média, graças apenas ao BNDES, foi de US$ 2,2 bilhões. "No governo Fernando Henrique Cardoso financiamos a construção do metrô de Caracas. Falta de coerência é falar mal disso agora", destacou Roberto Giannetti da Fonseca, que foi secretário do governo FHC. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas, e no Globo: há alguma coerência?


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email