Guedes quer cobrar impostos de instituições filantrópicas

Proposta de reforma tributária do governo Jair Bolsonaro prevê o fim da imunidade tributária das chamadas entidades filantrópicas, como universidades e hospitais. Ministro da Economia, Paulo Guedes, alega que projeto visa corrigir uma "injustiça tributária"

www.brasil247.com - O ministro da Economia, Paulo Guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)


247 - A proposta de reforma tributária em elaboração pela equipe do ministro Paulo Guedes prevê o fim da imunidade tributária das chamadas entidades filantrópicas, como universidades e hospitais. Segundo dados da Receita Federal, a estimativa é que as perdas com a arrecadação de impostos destas entidades chegue a R$ 13,24 bilhões até o final deste exercício. 

Segundo reportagem do jornal O Globo, Guedes tem insistido na cobrança de tributos sobre estas entidades alegando a necessidade de correção do que considera uma injustiça tributária. Para o presidente do Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas (Fonif), Custódio Pereira, a possiblidade de cobrança sobre as entidades filantrópicas preocupa o setor.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“São instituições centenárias que fazem a filantropia. Não têm lucro, o superávit é revertido na instituição. É um setor fiscalizado e de altíssima qualidade na área de saúde, educação e assistência social. As consequências serão muito ruins para o país. São milhares de pessoas que vão perder”, afirma.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email