Ibovespa desaba após saída do Reino Unido da UE

Às 10h29 (horário de Brasília), o benchmark da bolsa brasileira caía 3,36%, a 49.826 pontos; já o dólar comercial sobe 1,43% a R$ 3,3924 na venda, enquanto o dólar futuro dispara 1,46% a R$ 3,395; o ex-prefeito de Londres Boris Johnson, visto como um populista de direita, é o mais cotado para assumir o cargo de Cameron; após o referendo, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, renunciou ao cargo

Às 10h29 (horário de Brasília), o benchmark da bolsa brasileira caía 3,36%, a 49.826 pontos; já o dólar comercial sobe 1,43% a R$ 3,3924 na venda, enquanto o dólar futuro dispara 1,46% a R$ 3,395; o ex-prefeito de Londres Boris Johnson, visto como um populista de direita, é o mais cotado para assumir o cargo de Cameron; após o referendo, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, renunciou ao cargo
Às 10h29 (horário de Brasília), o benchmark da bolsa brasileira caía 3,36%, a 49.826 pontos; já o dólar comercial sobe 1,43% a R$ 3,3924 na venda, enquanto o dólar futuro dispara 1,46% a R$ 3,395; o ex-prefeito de Londres Boris Johnson, visto como um populista de direita, é o mais cotado para assumir o cargo de Cameron; após o referendo, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, renunciou ao cargo (Foto: Gisele Federicce)

Por Ricardo Bomfim

O Ibovespa opera despencando nesta sexta-feira (24) após o Reino Unido surpreender e aprovar a saída da União Europeia. O ex-prefeito de Londres, Boris Johnson, visto como um populista de direita, é o mais cotado para assumir o cargo de Cameron. Após o referendo, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, renunciou ao cargo.

A resposta dos mercados foi inequívoca: a libra tem a maior perda em 30 anos, chegando a desabar 11% no pior momento do dia. O presidente do banco central da Inglaterra, Mark Carney, disse que os BCs globais asseguram que podem agir para garantir a liquidez diante deste cenário.

Às 10h29 (horário de Brasília), o benchmark da bolsa brasileira caía 3,36%, a 49.826 pontos. Já o dólar comercial sobe 1,43% a R$ 3,3924 na venda, enquanto o dólar futuro dispara 1,46% a R$ 3,395. No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2017 cai 2 pontos-base a 13,72%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 tem alta de 14 pontos-base a 12,54%.

Referendo do Brexit

O "Brexit" venceu por 51,9% a 48,1%. Foram 17.410.742 votos a favor da saída e 16.141.242 votos pela permanência. Ontem, o Ibovespa havia subido 2,8%, seu melhor desempenho diário desde 10 de maio após uma série de pesquisas mostrarem o "Bremain" na frente, mas hoje o dia promete um dia de forte queda. A vitória do Brexit forçou a renúncia do primeiro-ministro David Cameron e gerando o maior golpe ao projeto europeu de maior unidade desde a Segunda Guerra Mundial.

Nesta manhã, após a votação, David Cameron, primeiro-ministro britânico, disse que deixará o cargo até outubro. "O povo britânico tomou a muito clara decisão de assumir um caminho diferente e, diante disso, eu penso que o país precisa de nova liderança para levá-lo nessa direção", disse ele em pronunciamento. "Eu não acredito que seria certo para mim ser o capitão que vai levar o país para este próximo destino". "Os investidores temem os efeitos econômicos dessa decisão na economia inglesa e da zona do euro por conta do intenso fluxo de comércio e investimentos. No Reino Unido, corre-se o risco de contração dos investimentos e do emprego, o que obrigará o BOE a expandir novamente a política monetária.

Na zona do euro, além da alta do risco político por conta da possibilidade de outros países saírem da União Europeia, teme-se que o atual movimento de crescimento da economia europeia não se sustente tendo em vista esse aumento das incertezas. Outro risco para os europeus é a vitória de líderes populistas e eurocéticos", destaca a LCA Consultores.

Ações em destaque

As ações da Petrobras (PETR3, R$ 11,25, -6,64%; PETR4, R$ 9,04, -6,51%), seguem em queda, junto com os preços do petróleo. O barril do WTI (West Texas Intermediate) cai 5,21% a US$ 47,49, ao mesmo tempo em que o barril do Brent tinha ganhos de 5,39% a US$ 48,95.

Dentro do setor mais pesado no Ibovespa, o financeiro, bancos grandes caem. Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 29,22, -2,60%), Bradesco (BBDC3, R$ 26,07, -2,61%; BBDC4, R$ 24,68, -3,10%) e Banco do Brasil (BBAS3, R$ 15,59, -3,88%) recuam. Juntas, as quatro ações respondem por pouco mais de 20% da participação na carteira teórica do nosso benchmark.

Já a Vale (VALE3, R$ 15,32, -7,66%; VALE5, R$ 12,57, -6,19%) também em continua em queda junto com o minério de ferro. A commodity spot com 62% de pureza e entrega no porto de Qingdao teve baixa de 2,47% a US$ 50,61 a tonelada seca.

Entre as altas estava a exportadora de papel e celulose Suzano (SUZB5, R$ 12,35, +0,82%), que opera com ganhos por conta do desempenho positivo do dólar. Por possuírem suas receitas na moeda norte-americana, essas empresas têm as suas rentabilidades elevadas quando há valorização da divisa dos EUA ante o real.

Transações correntes

Hoje às 10h30 (horário de Brasília), saiu o dado das transações correntes no Brasil relativo a maio. Juntando Balança Comercial, investimentos e remessas de dólares para dentro e para fora do País, o dado é importante para saber como está a situação do balanço de pagamentos do Brasil em relação ao exterior. A expectativa mediana dos economistas é de um superávit de US$ 1,7 bilhão. Em abril, o superávit da conta corrente do Brasil foi de US$ 412 bilhões.

Confiança de Michigan

Sai às 11h o índice de confiança do consumidor de Michigan, nos Estados Unidos. A expectativa mediana dos economistas é de que o índice tenha caído de 94,3 pontos para 94 pontos em junho.

IPC - Fipe

O índice de Preços ao Consumidor da Fipe saiu às 5h e mostrou que a inflação brasileira subiu 0,42% na 3ª quadrissemana de junho, contra uma expectativa mediana de 0,40%. Na segunda quadrissemana deste mês o IPC havia registrado um aumento de 0,4%.

Cenário externo

Na Inglaterra, o FTSE caía 3,91%, aos 6.090,3 pontos, enquanto a libra esterlina tinha perdas de 8,44% contra o dólar, chegando a US$ 1,36, após cair 11% mais cedo. Com isso, a moeda britânica atingiu seu menor patamar desde 1985. Já o euro registrava queda de 3,05% ante a moeda norte-americana, para US$ 1,1038. No Stoxx 600, bancos caem mais de 10% e são destaques de baixa, enquanto o Lloyds desaba mais de 21%. Na França, o CAC 40 registra queda de 8,30%, a 4.095 pontos: no país, a presidente do partido Frente Nacional, Marine Le Pen, pediu o "Frexit".

Na Ásia o cenário foi de maior cautela durante a apuração, mas com a vitória do "Brexit" o pânico também foi instalado, acionando, inclusive, o circuit breaker do índice Nikkei 225, que chegou a afundar 8,21%, aos 14.905 pontos. O japonês Nikkei fechou em queda de 7,92%, enquanto o iene teve forte alta com os investidores em busca de proteção. O dólar registra queda de 3,42% ante o dólar. Já o chinês Xangai teve baixa menos expressiva, de 1,33%, enquanto o Hang Seng teve queda de 2,92%.

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247