Inflação oficial fica em 0,55% em abril

Resultado, divulgado nesta quarta-feira pelo IBGE, é superior ao 0,47% de fevereiro, mas menor do que o registrado em abril do ano passado, quando a taxa ficou em 0,64%; com inflação de 2,99%, remédios tiveram maior contribuição individual para a inflação do mês passado

Inflação oficial fica em 0,55% em abril
Inflação oficial fica em 0,55% em abril

Vitor Abdala
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial, registrou taxa de 0,55% em abril deste ano.

O dado foi divulgado nesta quarta-feira (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado é superior ao 0,47% de fevereiro. Em abril do ano passado, a taxa havia sido 0,64%.

Em 12 meses, a inflação acumula taxa de 6,49%. Depois de registrar um índice de 6,59% em março, o IPCA acumulado em 12 meses voltou a ficar dentro da meta de governo, que varia de 2,5% a 6,5%. No ano, a inflação acumulada chega a 2,5%.

Remédios tiveram maior contribuição individual para inflação de abril

O aumento de 2,99% no preço de remédios em abril foi a principal contribuição para a inflação de 0,55% medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do mês. Eles responderam por quase 20% do total da taxa medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo a coordenadora de Índices de Preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos, os preços dos remédios são tradicionalmente reajustados nos meses de abril. No ano passado, a taxa de inflação dos remédios no mesmo mês havia sido de 1,58%.

Outros itens que tiveram impacto importante na inflação foram os empregados domésticos, com aumento do custo de 1,25%, e refeição fora de casa, com taxa de 0,92%.

Por outro lado, alguns itens contribuíram para evitar uma inflação maior, como a passagem aérea (variação de -9,12%) e a gasolina (-0,41%). Alguns alimentos incluídos no decreto de desoneração da cesta básica, de 8 de março deste ano, também tiveram influência para evitar uma taxa maior.

Entre os produtos que tiveram desoneração e redução no preço em abril estão: carnes (-1,78%), frango inteiro (-1,92%), frango em pedaços (-1,58%), arroz (-1,87%) e açúcar refinado (-4,5%).

"Não dá para fazer conclusões seguras sobre o impacto da desoneração da cesta básica na queda dos preços desses alimentos, porque outros fatores influenciam no preço, como a safra. Mas dá para dizer que houve, sim, algum impacto", disse Eulina.

Alguns itens tiveram desoneração mas, ainda assim, registraram aumentos de preços, como feijão carioca (9,44%) e pão francês (0,8%). "A pergunta é: será que, se não houvesse a desoneração, esse aumento seria maior?", questiona Eulina.

Edição: Denise Griesinger

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247