Itaú humilha gerentes e sofre pena de R$ 100 mil

Em evento oficial do banco de Roberto Setbal, dentro de rea da Aeronutica, em Angra dos Reis, ator fardado mandou funcionrios pagarem flexes; obesa ganhou bia de pneu de caminho para pagar a nado maus resultados de sua agncia; justia puniu

Itaú humilha gerentes e sofre pena de R$ 100 mil
Itaú humilha gerentes e sofre pena de R$ 100 mil (Foto: Divulgação )
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Fernando Porfírio _247 - O Itaú-Unibanco submeteu uma gerente a situação vexatória e degradante e, por isso, amargou uma condenação de R$ 100 mil. A humilhação aconteceu num evento patrocinado pelo banco. No encontro, que reuniu 400 gerentes em Angra dos Reis (RJ), o desempenho de uma das agências foi considerado ruim, e a gerente e outros colegas foram obrigados a fazer flexões, “como soldados”, sob as ordens de um ator caracterizado como sargento da Aeronáutica.

A condenação, fixada pela Justiça do Trabalho da 2ª Região (SP), foi mantida pela 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que considerou o valor pautado “pelo princípio da razoabilidade, obedecendo aos critérios de justiça e equidade”.

A bancária Miriam Messias Ferreira exerceu o cargo de gerente de agência de abril de 1978 a agosto de 2002, quando foi dispensada sem justa causa.

Conforme a inicial da reclamação trabalhista, dois meses antes da dispensa, o banco realizou o evento em Angra dos Reis, em uma base da Aeronáutica. Os organizadores teriam anunciado que os gerentes das boas agências iriam de barco, os das médias de ônibus e os das ruins “a nado”.

Ainda de acordo com a petição, no último ano de contrato, depois de receber prêmios por bom desempenho, a gerente foi transferida para uma agência considerada ruim e improdutiva pelo banco. Ali, foi apontada como péssima gerente e, segundo afirmou, o diretor chegou a lhe enviar pés de pato para que fosse nadando para o evento, e, para outro colega, obeso, uma boia de câmara de pneu de caminhão.

No encontro, os gerentes teriam sido obrigados a vestir camisetas com braçadeiras de cores diferentes conforme o desempenho de cada agência, e os responsáveis pelas agências de pior desempenho foram, segundo a autora da reclamação, humilhados e expostos ao ridículo no episódio das flexões. Por essa razão, pediu indenização por dano moral correspondente a 20 vezes o último salário, num total de cerca de R$ 109 mil.

O pedido foi deferido pela 3ª Vara do Trabalho de São Paulo e mantido pelo Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Com base no depoimento da bancária e de outras testemunhas, o TRT concluiu que a gerente sofreu humilhação e constrangimento na presença dos demais participantes.

O fato, de acordo com o TRT, repercutiu na agência. “O empregador não pode, a pretexto de 'brincadeiras', expor o empregado a situação vexatória, indigna e atentatória à moral”, afirmou o relator do recurso.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email