Juro alto, remédio simplista

Do mirante financeiro, aumento de juros é sempre bom, aliás, muito bom, lembrando a espetacular lucratividade do setor. Mas o crescimento econômico exige maior criatividade



Não tem sentido o Brasil continuar a ter o maior juro real do mundo. Os argumentos se alteraram junto com a qualidade da economia. No passado, o Brasil apresentava problemas econômicos crônicos. O juro elevado era necessário. A realidade, hoje, é outra, e a única coisa que permanece é a obsessão por juros altos.

Responsabilidade fiscal, política monetária com metas de inflação e superávits comerciais criaram as condições para o sucesso do presente. É preciso valorizar o passado, porém, entender que o presente apresenta desafios diferentes.

As expectativas inflacionárias deste momento são fundamentalmente diferentes do que foram no passado. O remédio fácil do aumento de juros não é o mais adequado para preparar o futuro.

O aumento de juros parte do processo inflacionário. Parece-nos, entretanto, que neste momento seu efeito refletirá unicamente em pequeníssima parcela de preços da economia. A maior parte dos preços, cuja estatística mede a inflação, estão fora do alcance do amargo remédio do aumento de juros.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Juros não têm influência em preços administrados ou de serviços. E pouco importam nos reflexos de efeitos climáticos ou sazonais. Não terão efeito sobre preços de commoddities do mercado internacional ou impacto nas questões cambiais do mercado externo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Certamente, é um instrumento imperfeito. Imaginar que represente controle adequado para as variações da estatística, neste momento, é de um simplismo injustificável para o grau de sofisticação e competência que alcançamos.

É preciso avançar e sairmos do simplismo do aumento de juros, pois os efeitos colaterais negativos são hoje maiores do que os benefícios. É preciso compreender a evolução da economia, criando instrumentos que permitam acelerar o crescimento sem perder a estabilidade conquistada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A visão da paisagem depende da localização do mirante. Mais do alto ou mais de baixo, do lado esquerdo ou do direito, o que se observa no horizonte é diferente. Infelizmente, o mirante dos responsáveis pela política monetária fica no coração do sistema financeiro.

Do mirante financeiro, aumento de juros é sempre bom, aliás, muito bom, lembrando a espetacular lucratividade do setor. O crescimento econômico sustentado exige, porém, maior criatividade e competência do que este remédio simplista. Está na hora de descerem do mirante, procurando outros ângulos para a visão do crescimento econômico futuro.

Não se trata de questionar fundamentos da teoria econômica. É o ângulo de visão que é diferente para enxergar caminhos alternativos para o futuro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

* Pedro de Camargo Neto é presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína - ABIPECS

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email