Levy: governo anunciará cortes na segunda-feira

Ministro da Fazenda disse que o governo se prepara para anunciar um corte que alcançará todos os recursos disponíveis para gastos até o final deste exercício; contingenciamento visa evitar que o governo cometa infrações no fechamento das contas de 2015 pelo fato de o Congresso não ter votado a mudança da meta fiscal; Joaquim Levy disse, ainda, que será necessário "focar todas as energias" na aprovação da meta fiscal para 2016 até dezembro, de maneira que a economia possa retomar o crescimento; "Não tenho problemas em pedir apoio. Na hora H, em inúmeras vezes, o Congresso não faltou", disse

Rio de Janeiro - O ministro da Fazenda, Joaquim Levy participa da abertura e do semin�rio 20 Anos da Lei de Concess�o promovido pelo FGV (T�nia R�go/Ag�ncia Brasil)
Rio de Janeiro - O ministro da Fazenda, Joaquim Levy participa da abertura e do semin�rio 20 Anos da Lei de Concess�o promovido pelo FGV (T�nia R�go/Ag�ncia Brasil) (Foto: Paulo Emílio)

247 - O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse que o governo se prepara para anunciar, na próxima segunda-feira (30) um corte que alcançará todos os recursos disponíveis para gastos até o final deste exercício. Objetivo é evitar que o governo cometa infrações no fechamento das contas de 2015 pelo fato do Congresso não ter votado a mudança da meta fiscal, que prevê um superávit primário de 1,1% do Produto Interno Bruto (PIB). O contingenciamento previsto é de 107,1 bilhões, mas o governo possui à sua disposição somente R$ 10,7 bilhões.

Em entrevista ao Estadão, Levy disse que será necessário "focar todas as energias" na aprovação da meta fiscal para 2016 até dezembro, de maneira que a economia possa retomar o crescimento. "Não tenho problemas em pedir apoio. Na hora H, em inúmeras vezes, o Congresso não faltou", disse. "Temos de fazer a economia rodar no ano que vem", completou.

O ministro também disse estar 100% alinhado com a defesa feita pelo ex-presidente Lula e por diversos membros do PT em relação a ampliação da oferta de crédito e que está aberto para conversar sobre o assunto. Ele disse estar “preocupado” com a postergação por parte do Congresso Nacional em aprovar medidas que promovam a retomada do crescimento. “Vejo com preocupação a postergação de ações indispensáveis para a política econômica, senão teremos mais um ano difícil à frente. Meu compromisso é com a retomada do crescimento, com a política econômica. O folhetim não me interessa muito”, disse.

Levy também falou dos seus arrependimentos à frente do cargo. "Talvez ter dado mais ênfases às outras políticas de crescimento que estamos fazendo. Enquanto está fazendo sol, ninguém quer consertar o telhado. Começou a chover, então é melhor consertar agora, porque se depois vier um toró, aí molha tudo e ninguém dorme mais”, frisou.

Confira aqui a íntegra da entrevista.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247