Lindbergh aciona Comissão de Ética Pública da Presidência para investigar investimentos do presidente do BC

Pedido de investigação se baseia no Código de Conduta da Alta Administração Federal e será apresentado nesta sexta-feira

(Foto: ABR)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - O deputado federal Lindbergh Farias (PT-RJ) pretende acionar nesta sexta-feira (28) a Comissão de Ética Pública da Presidência da República para investigar se o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, mantém investimentos em fundos que são afetados diretamente pela política da instituição. Segundo o parlamentar, Campos Neto não respondeu aos questionamentos feitos sobre o assunto durante uma audiência pública realizada esta semana na Câmara dos Deputados. 

De acordo com a coluna da jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, a investigação se baseia no Código de Conduta da Alta Administração Federal, que proíbe investimentos em bens afetados por decisões governamentais, especialmente quando a autoridade pública possui informações privilegiadas devido ao cargo. >>> Campos Neto consegue liminar e suspende apuração das offshores no Conselho de Ética Pública

continua após o anúncio

Durante a audiência, o deputado questionou diretamente o presidente do BC sobre seus investimentos em fundos exclusivos com remuneração pela taxa Selic, mas Campos Neto respondeu apenas sobre suas offshores, empresas abertas em paraísos fiscais, onde a tributação é reduzida ou nula. Ele afirmou que seus investimentos em fundos offshore foram declarados desde o início de sua gestão e que a questão já havia sido resolvida em diversas instâncias, incluindo o Supremo Tribunal Federal (STF). >>> Lindbergh: 'Campos Neto não respondeu se tem fundo de investimento exclusivo. O silêncio vale mais que mil palavras' (vídeo)

No entanto, Lindbergh insistiu na pergunta sobre os fundos exclusivos, que são investimentos milionários em aplicações como ações e renda fixa, e não obteve resposta do presidente do BC. Na ocasião, Campos Neto manifestou seu apoio à taxação de super-ricos, fundos exclusivos e offshores, defendendo uma alíquota de 10%. >>> Campos Neto diz ser favorável à taxação de fundos exclusivos e offshores

continua após o anúncio

Aliados do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) têm cobrado do Banco Central uma maior redução da taxa de juros básica (Selic), para deixar o crédito mais barato, aumentar o poder de consumo da população e ajudar no crescimento da economia. 

Em Brasília, Lula e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, tiveram uma reunião com o presidente do Banco Central, para não deixar a relação entre governo e BC ser eventualmente prejudicada por causa das cobranças pela diminuição da Selic.

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247