Lobão, com duas palavras, derruba índice da Bovespa

Ministro de Minas e Energia, Edison Lobo afirmou nesta quarta 3 que toda a diretoria da Petrobras ser mudada; mercado reagiu derrubando valor das aes da estatal em mais de 3%; baixa arrastou toda a bolsa para baixo

Lobão, com duas palavras, derruba índice da Bovespa
Lobão, com duas palavras, derruba índice da Bovespa (Foto: Alan Marques/Folhapress)

247 – Se o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, queria testar a força de suas palavras no sensível mercado das companhias de capital aberto, ele conseguiu – mas com o sinal trocado. Nesta quarta-feira 3, em evento na sede do BNDES, no Rio de Janeiro, Lobão afirmou que “toda diretoria” da Petrobras será trocada, o que foi suficiente para desencadear uma onda de venda nos papéis da estatal. Ao final do dia, eles caíram entre 2% e 3%, arrastando para baixo, em razão de seu grande peso na composição do Ibovespa, todo o índice.

Abaixo, notícia do portal Infomoney a respeito da reação do mercado às declarações de Lobão:

Forte recuo de ações da Petrobras pesam e Ibovespa tem queda de 0,51%

SÃO PAULO - Após abrir em leve alta, o Ibovespa inverteu o sinal e terminou em queda de0,51%, fechando esta quinta-feira (3) aos 62.104 pontos. Por aqui, o destaque ficou com as possíveis mudanças nas regras da poupança, que vão ser anunciadas mais tarde, e que podem refletir em novos cortes da Selic, a taxa básica de juros nacional. O giro financeiro foi de R$ 6,78 bilhões.

Boa parte da queda ocorreu por conta do desempenho negativo das ações da Petrobras (PETR3, -3,17%; PETR4, -2,73%), ao contrário do que havia sido registrado na véspera. Os papéis da petrolífera, com forte peso na composição do índice, reagiram negativamente à notícia de que a diretoria deverá ser completamente alterada, conforme anunciado pelo ministro de Minas e Energia, Edison Lobão.

Flávia Villela e Thais Leitão, repórteres da Agência Brasil - Todos os cargos de diretoria da Petrobras serão trocados, informou nesta quinta-feira 3 o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, em evento no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“A intenção é fazer uma renovação completa da diretoria. Faltam dois que são o da internacional [Jorge Zelada] e o da financeira [Almir Barbassa]”, informou Lobão.

O ministro garantiu que as diretorias da BR Distribuidora e da Transpetro, que são subsidiárias da petroleira, não serão modificadas.

Na semana passada, o Conselho de Administração da Petrobras aprovou a indicação de José Carlos Cosenza, que ocupava o cargo de gerente executivo de Refino na empresa, para substituir o diretor de Abastecimento, Paulo Roberto Costa; e a indicação de Richard Olm, que atuava como gerente executivo de Projetos de Desenvolvimento da Produção, para assumir a diretoria de Engenharia, Tecnologia e Materiais, ocupada até então por Renato de Souza Duque.

Investimentos na África

A presidenta da Petrobras, Graça Foster, afirmou também nesta quarta 3 que descobertas recentes e os sucessos relevantes da África para o mundo do petróleo aumentam ainda mais o interesse da petroleira brasileira no continente. Ela participou do Seminário Investindo na África: Oportunidades, Desafios e Instrumentos para Cooperação Econômica, promovido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro

“Do ponto de vista do futuro, a África se constitui um excepcional mercado novo e aí vem a grande oportunidade não só para a Petrobras, mas para outras empresas de investir nesse novo mercado”.

Segundo Foster, a empresa vê potencial econômico para aumentar a parceria com alguns países africanos na produção de etanol, por meio da produção de cana-de-açúcar, que poderá ser levada a cabo tão logo sejam definidas as regras do Marco Regulatório da Indústria do Petróleo e Energia na África.

“Assim como toda a indústria de combustíveis, precisamos estar seguros dos investimentos que fazemos e para isso é importantíssimo que a questão dos biocombustíveis esteja definida em um marco regulatório”.

Hoje a Petrobras atua em sete países africanos, produz cerca de 58 mil barris por dia na Nigéria, dois mil em Angola e desenvolve uma série de relações comerciais voltadas para a produção de biocombustíveis, importações de gás natural liquefeito, entre outras.

Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247