Lula revogará medidas econômicas de Temer

Guilherme Mello, assessor econômico da campanha presidencial de Lula avisa: caso seja eleito, o ex-presidente terá como uma de suas prioridades rever todas as medidas econômicas do governo Temer; “A emenda constitucional 95 (PEC do teto de gastos) precisa ser revogada. […] O Brasil precisa votar uma nova regra fiscal. Além de outros descalabros, como a reforma trabalhista”, disse Mello durante debate com assessores de pré-candidatos na Unb (Universidade de Brasília).

Lula revogará medidas econômicas de Temer
Lula revogará medidas econômicas de Temer (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Guilherme Mello, assessor econômico da campanha presidencial de Lula avisa: caso seja eleito, o ex-presidente terá como uma de suas prioridades rever todas as medidas econômicas do governo Temer.  “A emenda constitucional 95 (PEC do teto de gastos) precisa ser revogada. […] O Brasil precisa votar uma nova regra fiscal. Além de outros descalabros, como a reforma trabalhista”, disse Mello durante debate com assessores de pré-candidatos na Unb (Universidade de Brasília).

O novo modelo de desenvolvimento apresentado pelo PT ainda terá entre os eixos prioritários alterações estruturais, como uma reforma tributária que não mude a carga de impostos nem a distribuição entre os estados e municípios, e ações emergenciais, como incentivo aos investimentos públicos para impulsionar o emprego.

Mello assegurou também que o governo Lula também vai suspender o processo de privatizações de estatais e reverter as já realizadas.

“Quem produziu mais superávit, quem melhorou o perfil da dívida, quem desindexou a dívida? Tudo o governo Lula, tudo os governos do PT”, afirmou o economista.

Ele reafirmou a ideia do grupo econômico do PT, do qual também faz parte o economista Márcio Pochmann, de usar reservas cambiais e recursos do BNDES para formar um fundo para financiar obras de infraestrutura.  Para Mello, há um “excesso de reservas” no valor de US$ 30 a US$ 40 bilhões, que poderiam ser redirecionados: “Temos um colchão que custa caro. Você pode pegar uma parte pequena dessas reservas e, em vez de devolver para o Tesouro, faz um fundo que será responsável, junto com capital privado, por financiar infraestrutura”.

Leia aqui na íntegra.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247