Maílson, 80% ao mês, critica inflação de Dilma

É ou não ou cúmulo da cara de pau? O economista Maílson da Nóbrega, que comandou o Ministério da Fazenda no fim do governo Sarney e entregou ao País uma hiperinflação, tem a pachorra de condenar a atual política monetária e criticar a meta de inflação brasileira de 4,5% ao ano, segundo ele, "já em si muito alta"; lobista do sistema financeiro, Maílson pede a combinação de recessão, desemprego e juros altos; o incrível é que este personagem tenha espaço para comentar a economia com ares de guru

Maílson, 80% ao mês, critica inflação de Dilma
Maílson, 80% ao mês, critica inflação de Dilma

247 - O Brasil é um país surpreendente. Só aqui um economista que foi ministro da Fazenda e entregou ao País uma hiperinflação, com os preços subindo 80% ao mês (!!!), consegue se tornar consultor de sucesso e conquistar espaço na mídia para falar sobre todos os assuntos, com ares de guru. Este personagem se chama Maílson da Nóbrega, que conduziu a economia brasileira no fim do governo Sarney. Dono da consultoria Tendências e colunista de Veja, ele vinha pontificando sobre tudo, mas, talvez por pudor, evitava comentar o tema inflação.

Nesta semana, no entanto, o assunto deixou de ser tabu para Maílson e ele escreveu, em Veja, o artigo "A inflação de Dilma", em que defende, com todas as letras, que o Brasil produza recessão para combater uma inflação que deve fechar o ano em 5,7% ao ano, segundo estimativas de analistas de mercado – e não em 80% ao mês. Eis o que diz Maílson:

"Dilma parece prisioneira dessas visões. Dá a entender que acredita ser possível vencer a inflação sem reduzir a demanda. Além disso, em seu governo, o instrumento eficaz, a taxa de juros, se transformou em bandeira política. Até a oposição a elogia pela decisão de impor ao BC a queda da Selic. Por isso, ela resiste à ideia de aumentar a taxa de juros e à sua natural consequência: a queda temporária do ritmo de crescimento (...) Como em qualquer doença, adiar o tratamento pode exigir doses maiores do remédio, que tendem a prostrar mais o doente do que quantidades menores em momentos apropriados. Na verdade o que mata o doente é a ausência de tratamento ou prescrições equivocadas. Tudo indica que a inflação do atual governo ficará acima da meta de 4,5%, já em si muito alta. Sem o emprego da receita certa, ela pode fugir do controle. Será que a presidente Dilma vai autorizar o BC a agir?"

Maílson "80% ao mês" da Nóbrega apenas vocaliza o desejo de seus clientes por doses mais cavalares de juros. O inacreditável é que tenha tanta cara de pau e espaço para vender suas receitas, que, no momento em que pôde aplicá-las, não funcionaram. 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247