Maior risco é país andar para trás, com crise institucional e fiscal, diz ex-ministro

Quem afirma é o ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa. "Para piorar, a equipe econômica se pintou no canto da sala com teto de gastos e meta de resultado primário". "Pelas regras atuais, teremos novo corte de despesa pública em março, em uma economia sob risco de desaceleração", acrescenta

www.brasil247.com - Ex-ministro da Fazenda alerta para risco de desaceleração da economia
Ex-ministro da Fazenda alerta para risco de desaceleração da economia (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)


247 - O ex-ministro da Fazenda Nelson Barbosa avalia que o "maior risco" do Brasil "é andar para trás, com crise institucional e fiscal deflagrada pelo aumento concedido à PM de Minas Gerais, apoio velado do Planalto à insurgência de policiais em outros estados e novos flertes do clã Bolsonaro com o autoritarismo".

"Para piorar, a equipe econômica se pintou no canto da sala com teto de gastos e meta de resultado primário". "Pelas regras atuais, teremos novo corte de despesa pública em março, em uma economia sob risco de desaceleração", diz ele sua coluna publicada no jornal Folha de S.Paulo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Diante desse risco, não é surpresa que o Congresso tenha chamado para si a execução do gasto discricionário da União. Há excesso de papalvos do lado do governo. Regra fiscal mal concebida faz o Executivo perder poder justamente quando tudo indica ser necessária ação do Executivo para atenuar a crise que se aproxima".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email