Mais imposto de Temer: alta de quase 3% nos remédios

O governo de Michel Temer continua jogando nas costas da população as medidas recessivas da sua gestão, que ascendeu por meio de um golpe parlamentar e retirou direitos sociais; agora vem mais imposto; informação publicada pela coluna de Lauro Jardim aponta que o reajuste médio dos medicamentos, que ocorrerá em março, será de 2,83%. A simulação é do Sindicato da Indústria Farmacêutica, feita a partir dos dados oficiais

O governo de Michel Temer continua jogando nas costas da população as medidas recessivas da sua gestão, que ascendeu por meio de um golpe parlamentar e retirou direitos sociais; agora vem mais imposto; informação publicada pela coluna de Lauro Jardim aponta que o reajuste médio dos medicamentos, que ocorrerá em março, será de 2,83%. A simulação é do Sindicato da Indústria Farmacêutica, feita a partir dos dados oficiais
O governo de Michel Temer continua jogando nas costas da população as medidas recessivas da sua gestão, que ascendeu por meio de um golpe parlamentar e retirou direitos sociais; agora vem mais imposto; informação publicada pela coluna de Lauro Jardim aponta que o reajuste médio dos medicamentos, que ocorrerá em março, será de 2,83%. A simulação é do Sindicato da Indústria Farmacêutica, feita a partir dos dados oficiais (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governo de Michel Temer continua jogando nas costas da população as medidas recessivas da sua gestão, que ascendeu por meio de um golpe parlamentar e retirou direitos sociais. Vem aí mais aumento de imposto.

Informação publicada pela coluna de Lauro Jardim aponta que o reajuste médio dos medicamentos, que ocorrerá em março, será de 2,83%. A simulação é do Sindicato da Indústria Farmacêutica, feita a partir dos dados oficiais.

Vale ressaltar que, segundo de reportagem de Natália Cancian na Folha de S.Paulo, o governo Temer quer acabar com um dos mais conhecidos programas do Ministério da Saúde, o Farmácia Popular, iniciativa que oferta medicamentos gratuitos ou com até 90% de desconto, deve passar por mudanças. Para o setor farmacêutico, as medidas o colocam em risco.

Após fechar cerca de 400 farmácias da rede própria que mantinha no programa, o governo quer agora mudar o modelo de pagamento para farmácias particulares credenciadas. Atualmente, existem cerca de 30 mil estabelecimentos que ofertam os medicamentos no Aqui Tem Farmácia Popular, nome dado ao eixo do programa na rede particular.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247