Mantega: Pessimismo econômico é infundado

Ministro da Fazenda afirmou que a economia brasileira vai bem e que o pessimismo de alguns analistas não tem fundamento; "O primeiro semestre cresceu razoavelmente bem e o segundo poderá continuar na mesma trajetória"; Guido Mantega disse ainda que a inflação já começa a apresentar sinais de queda e, sobre câmbio, afirmou que "mercado se acalma" quando o Fed começar a reduzir juros

Brasília - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, durante entrevista,  anuncia redução do imposto de importação para mais de cem produtos
Brasília - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, durante entrevista, anuncia redução do imposto de importação para mais de cem produtos (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Flávia Albuquerque
Repórter da Agência Brasil

São Paulo – O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta sexta-feira (16), após participar de encontro com líderes empresariais na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI), na capital paulista, que a economia brasileira está razoavelmente bem e que o pessimismo de alguns analistas não tem fundamento, pois diversos setores estão em rota de crescimento.

"O primeiro semestre cresceu razoavelmente bem e o segundo poderá continuar na mesma trajetória. Cada setor tem seus problemas, a crise econômica internacional não foi completamente superada, mas há perspectivas de melhora para a economia internacional", disse.

Mantega destacou que a inflação diminuiu o poder aquisitivo de parte da população no primeiro semestre, mas que já começa a apresentar sinais de queda. "O aumento do crédito deverá estimular a volta do consumo varejista, que não foi tão bem no primeiro semestre".

O ministro falou ainda que o câmbio elevado é um problema para alguns setores da indústria, enquanto outros não sentem os malefícios. Mantega reforçou que a taxa de câmbio atual (na média de R$ 2,30) passa por um momento de volatilidade e que o governo brasileiro aguarda as ações do Federal Reserve (Fed), o Banco Central dos EUA, para decidir que medidas tomará para conter a valorização da moeda.

"Não sei se a taxa de câmbio vai permanecer assim. Acredito que quando o Fed começar a reduzir os juros, o mercado se acalma. Mas tenho certeza de que a taxa vai cair. Nós [governo] agimos para evitar essa excessiva volatilidade. Eu espero que o Fed deixe claro o que vai fazer, porque a volatilidade não é boa para os negócios, nem positiva para a economia", ressaltou Mantega.

Sobre um possível aumento no preço dos combustíveis, Mantega não quis se aprofundar, mas lembrou que a Petrobras tem um sistema de ajuste de preços e de convergência para valores internacionais. "Periodicamente existem reajustes, que não são anunciados e que só temos conhecimento depois de acontecerem. O que posso dizer é que nos últimos meses houve uma convergência em função dos reajustes que foram feitos à gasolina e a diesel. Houve uma diminuição da diferença de preço nacional e internacional".

Edição: Denise Griesinger

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email