Mercadante e Guilherme Mello: “o 'risco Lula' é o de o Brasil voltar a crescer”

Os economistas Aloizio Mercadante e Guilherme Mello, ambos da Fundação Perseu Abramo, publicaram uma resposta ao economista Edmar Bacha, que recente declarou ao mesmo jornal que “Bolsonaro é um risco à democracia do Brasil e Lula é um risco à economia”

(Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil247 | Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Os economistas Aloizio Mercadante, ex-ministro de Ciência e Tecnologia e da Educação e ex-chefe da Casa Civil, e Guilherme Mello, ambos da Fundação Perseu Abramo (FPA), publicaram na Folha de S.Paulo, nesta segunda-feira, 13, uma resposta à afirmação Edmar Bacha, que recente declarou ao mesmo jornal que “Bolsonaro é um risco à democracia do Brasil e Lula é um risco à economia”.

Segundo os economistas da FPA, “Bacha atualizou o malfadado bordão ‘uma escolha muito difícil’, que nos legou o bolsonarismo e o atual desastre político, econômico, social, ambiental e institucional”. Em 2018, o Estado de S.Paulo, que apoiou Bolsonaro, publicou um editorial afirmando que a escolha entre os candidatos Bolsonaro e Fernando Haddad (PT), nas eleições de 2018, era “muito difícil”.

“Que Bolsonaro é um risco à democracia, os progressistas já o sabiam muito antes de ele se eleger. Ele nunca escondeu a defesa da ditadura, da tortura, da censura, mas alguns que hoje defendem a “terceira via” o apoiaram abertamente no segundo turno ou se omitiram, pactuando com esta tragédia que o Brasil atravessa. Agora, que Lula representa ‘risco econômico’ é delírio ideológico sem nenhum amparo nos fatos e na história recente o país. É fake news requentada, largamente utilizada nas eleições de 2002, quando a esperança venceu o medo”, destacam os economistas.

PUBLICIDADE

“O único risco que Lula representa para a economia brasileira é de o país voltar a crescer e distribuir renda, colocando os pobres no Orçamento e os ricos para pagarem imposto e renda, com inflação baixa e estabilidade macroeconômica. É o risco de reconstruir a democracia e o país, devolver a esperança e a autoestima ao povo do Brasil. O resto não passa de superado e obtuso macartismo econômico”, afirmam.

Ainda, eles destacam que, com Bolsonaro, “não é apenas a democracia brasileira que está em risco, a situação sanitária, econômica e social do povo brasileiro nunca esteve pior”. Os dois integrantes da FPA ressaltaram o aumento da miséria, da fome e do desemprego, que decorreram do golpe de 2016.

PUBLICIDADE

E lembram que, “no governo Lula, o PIB cresceu a uma taxa média de 4% ao ano, alcançando o posto de 6º maior economia do mundo; o desemprego se reduziu sistematicamente, partindo de 12,4% em 2003 para 6% em 2011; a desigualdade medida pelo índice de Gini caiu de 0,580 em 2003 para 0,531 em 2011; a pobreza declinou rapidamente, saindo de 28% da população em 2003 para 12,4% em 2011, com a geração de mais de 23 milhões de empregos formais”. “Como o aumento do emprego e a inflação controlada, o poder de compra do salário mínimo cresceu, se valorizando quase 30% em relação a cesta básica entre 2003 e 2010”, pontuam.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email