CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Economia

Mercadante quer royalties do petróleo na educação

Ministro diz que, com esses recursos, será possível alcançar a meta de investir 10% do PIB no setor

Mercadante quer royalties do petróleo na educação (Foto: Agência Brasil_Divulgação)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

BRASÍLIA (Reuters) - O governo tem o compromisso de usar a totalidade dos recursos pagos pela exploração do petróleo e parte do Fundo Social, constituído por recursos obtidos com o pré-sal, para financiar a educação nos próximos 10 anos, afirmou o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, nesta quarta-feira.

"É uma posição do governo que todos os royalties de petróleo... e pelo menos metade do Fundo Social seja canalizado exclusivamente para a educação", disse o ministro a jornalistas.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

"Esse é o compromisso da presidenta, é o compromisso do governo", afirmou. "O governo está disposto a aplicar todos os recursos dos royalties e metade do Fundo Social para a educação", acrescentou ele, explicando que o governo defende a meta de 10 por cento do PIB para a área, desde que seja firmada uma fonte de financiamento.

O ministro esteve reunido nesta tarde com a presidente Dilma Rousseff e o presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Daniel Iliescu, para discutir, entre outros temas, o Plano Nacional de Educação (PNE), pendente de votação no Congresso Nacional. A proposta obriga o governo a investir o equivalente a 10 por cento do PIB na educação.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Mercadante afirmou que pretende negociar com governadores, prefeitos e parlamentares, para que a destinação dos royalties do petróleo seja incluída no PNE.

Também tramita, na Câmara dos Deputados, um projeto que redefine as regras de distribuição dos recursos pagos pela exploração do petróleo entre Estados, municípios e União. Controverso, o projeto provocou embates, principalmente entre representantes de Estados produtores da commodity, que tentam evitar perda de receitas, e os chamados estados não-produtores, que reivindicam uma distribuição mais igualitária dos recursos.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO