Mercados europeus ainda acreditam nos EUA

Movimento demonstra que investidor est disposto a correr riscos na Europa por apostar em soluo de ltima hora de autoridades americanas

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Roberta Namour, correspondente do 247 em Paris - Os mercados financeiros europeus reduziram a velocidade após a recuperação dos últimos dias. O movimento é resultado de um início da semana de forte pressão. A falta de um acordo sobre o aumento do limite de dívida dos EUA tem alimentado temores de um calote. Além disso, o rebaixamento da classificação em três níveis da Grécia pela Moody’s também pesa sobre essa tendência. A agência acredita que o país ainda enfrenta problemas de solvência a médio prazo, apesar do segundo plano de emergência anunciado na semana passada.

No entanto, a sensação de que um pacto sobre a dívida dos EUA ainda é possível permite aos mercados europeus diminuir suas perdas. "Haverá um acordo de última hora nos EUA que irá resultar em uma reação instintiva positiva dos mercados financeiros", afirma Jeremy Batstone Carr, responsável pelo departamento de pesquisa da Charles Stanley, em Londres, à Bloomberg. "O fato de não vermos um movimento de venda massivo me faz acreditar que alguns investidores estão dispostos a correr riscos ao considerar que as autoridades dos EUA vão encontrar uma solução", acrescenta.

Os analistas também se mantêm positivos sobre as perspectivas para o mercado de ações já que os resultados das empresas dos EUA têm se revelado relativamente bons até agora e que a crise na Grécia tem tido um desenvolvimento positivo.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email