Ministro nega que governo vá reduzir valor do salário mínimo

Ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, publicou um vídeo (https://twitter.com/planejamentobr) em redes sociais para dizer que são falsas as notícias na internet de redução do salário mínimo; "Não é verdade que o governo reduziu o salário mínimo", disse, acrescentando que o valor em vigor neste ano é de R$ 937 e para 2018 valerá o que está na lei;  "O valor definitivo só será conhecido em dezembro quando teremos um número mais preciso sobre a inflação de 2017", explicou

Ministros Meirelles (esquerda) e Dyogo Oliveira durante evento no Planalto 7/4/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino
Ministros Meirelles (esquerda) e Dyogo Oliveira durante evento no Planalto 7/4/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Kelly Oliveira repórter da Agência Brasil - O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, publicou um vídeo (https://twitter.com/planejamentobr) em redes sociais para dizer que são falsas as notícias na internet de redução do salário mínimo.

"Não é verdade que o governo reduziu o salário mínimo", disse, acrescentando que o valor em vigor neste ano é de R$ 937 e para 2018 valerá o que está na lei. "O valor definitivo só será conhecido em dezembro quando teremos um número mais preciso sobre a inflação de 2017", explicou.

Na última terça-feira (15), o governo divulgou nova previsão para o salário mínimo no próximo ano. O valor de R$ 979 que consta na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) passará para R$ 969 durante a elaboração do Orçamento.

Por lei, até 2019, o salário mínimo será definido com base no crescimento da economia de dois anos antes mais a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior. Como o Produto Interno Bruto (PIB – a soma de todas as riquezas produzidas no país) recuou 3,6% em 2016, a correção do salário mínimo de 2018 levará em conta somente a inflação. O reajuste menor ocorre pela redução na expectativa para a inflação para este ano.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email