Ministro reconhece que arrecadação ficou R$ 150 bilhões menor após o golpe

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, admite que após o golpe que destituiu Dilma Rousseff, houve uma queda de R$ 150 bilhões na arrecadação federal; o ministro não descarta uma nova alta de impostos; "Nós tínhamos uma média histórica de 22,4% do PIB de arrecadação federal e nós estamos indo para 20% em 2018. Uma perda de 2,4 pontos percentuais do PIB, traduzindo em dinheiro, algo como R$ 150 bilhões", disse

Brasília - O ministro do Planejamento; Dyogo Oliveira participa da comissão sobre a a reforma da Previdência (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Brasília - O ministro do Planejamento; Dyogo Oliveira participa da comissão sobre a a reforma da Previdência (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil) (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em entrevista à jornalista Miriam Leitão, de O Globo, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira., admitiu o prejuízo bilionário que o golpe trouxe para o Brasil.

"Nós tínhamos uma média histórica de 22,4% do PIB de arrecadação federal e nós estamos indo para 20% em 2018. Uma perda de 2,4 pontos percentuais do PIB, traduzindo em dinheiro, algo como R$ 150 bilhões. Não digo que os impostos vão aumentar, mas para que se tenha uma discussão objetiva sobre as coisas nós temos que falar com os números."

Oliveira defendeu ainda a reforma da Previdência. 

"É uma desproporção muito grande. Quem ganha salário mínimo já se aposenta com quase 65 anos. O aposentado do setor público se aposenta mais cedo e ganhando mais. A reforma é para equilibrar e ter mais justiça no sistema."

Ele disse que a negociação para a reforma da Previdência dos militares prossegue e justificou o fato de eles terem sido poupados do congelamento dos salários afirmando que eles ganham menos que os servidores civis.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247