Miriam Leitão mostra como Bolsonaro e Ernesto Araújo estão tirando dinheiro do Brasil e dando para os Estados Unidos

Em artigo sobre a política externa da submissão, ela desenha os prejuízos que a destruição do Itamaraty está causando à economia brasileira

Miriam Leitão qualifica Ernesto Araújo como “ridículo”
Miriam Leitão qualifica Ernesto Araújo como “ridículo”
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Países que perdem sua soberania, como aconteceu com o Brasil após o golpe de 2016, reduzem seu potencial de crescimento econômico porque passam a ser governados para atender interesses de outras nações – e não seus próprios interesses. É o que demonstra a jornalista Miriam Leitão, que, embora tenha apoiado o golpe, hoje aponta, em artigo, os prejuízos da submissão do Brasil aos Estados Unidos.

"A subserviência aos Estados Unidos, marca maior da política externa do governo Bolsonaro, produz prejuízos concretos. Os americanos reduziram as cotas na exportação brasileira de aço. O Brasil não apenas aceitou, mas premiou o país, mantendo as cotas de importação de etanol americano sem tarifa. Cedeu também quando retirou o nome brasileiro e aderiu ao candidato americano, que foi eleito neste fim de semana para presidir o Banco Interamericano de Desenvolvimento. Um americano no BID é fato inédito na história da instituição. No caso do etanol, o governo quis beneficiar a campanha de Donald Trump à reeleição, só que em detrimento dos interesses dos produtores do Brasil", diz ela. "Quando se fala que uma política externa independente é a que pensa nos interesses do Brasil em primeiro lugar, isso não é apenas retórica. Há efeitos concretos. A subserviência tem um preço", afirma.

Ela também aponta a inconstitucionalidade da política externa. "A Constituição brasileira condena qualquer discriminação de gênero, portanto, a política externa brasileira é inconstitucional na área de direitos da mulher. Na economia, trai os interesses econômicos do próprio país. A diplomacia do governo Bolsonaro se divorciou do Brasil", afirma.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247