Mundial sob investigação

Destaque da bolsa de valores neste ano, CVM vai analisar se h manipulao no desempenho das aes

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247_A Mundial chama a atenção dos investidores desde o início do ano pela valorização inexplicável na bolsa de valores: o que a empresa tinha de tão bom que ninguém havia descoberto antes? Até a primeira quinzena de julho, os papéis MNDL4 acumulavam mais de 1.300% de alta em 2011. A explicação da companhia era que a atitude pró-ativa dos executivos contribuiu para esse movimento. Eles foram conversar com dezenas de gestores de fundos de investimento para mostrar as mudanças na Mundial. Mas, nesta semana, em quatro pregões a ação recuou 63%. E nesta sexta-feira o papel perdia mais 32% até o meio da tarde. Qual é a explicação, agora, para o desastre?

São as razões para esse comportamento inconsistente que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) quer descobrir. Em alguns pregões, as ações chegaram a movimentar tanto quanto Bradesco, Itaú Unibanco ou Petrobras, três das maiores e mais importantes empresas do País. A xerife do mercado de capitais abriu investigação para apurar se há manipulação no preço das ações. No seu pico de valorização na bolsa, a Mundial chegou a ter valor de mercado de R$ 1,7 bilhão. O preço do papel era 31 vezes maior do que a divisão do valor de mercado sobre a geração de caixa, um dos indicadores mais usados para saber se uma ação está cara ou barata. O que a CVM sabe é que as operações se concentram em três corretoras. Se for confirmada a irregularidade, a punição vai de multa à prisão.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email