Nassif: "Palocci fez lobby, sim"

Maior fonte de receita do ministro, diz o jornalista, teria sido a capitalizao da construtora WTorre

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Um dos jornalistas mais próximos ao Palácio do Planalto, Luis Nassif vinha mantendo obsequioso silêncio sobre o caso Palocci nos primeiros dias após a revelação do escândalo. Ontem, ele se manifestou, condenando de forma veemente a atuação do ministro. De acordo com Nassif, Palocci "fez lobby, sim" e a maior fonte de receita da Projeto teria sido a capitalização da construtora WTorre pelo banco BTG Pactual. Ele não apresenta provas do que diz e o comentário vale mais pela posição de Nassif do que pelo comentário em si. Leia abaixo o texto do jornalista.

Para entender a consultoria de Palocci

Enviado por luisnassif, qui, 26/05/2011 - 10:35

Para entender o festival de irrelevâncias com que a velha mídia trata o caso Palocci – e sua dificuldade em entrar nos temas centrais.

Antonio Palocci cumpriu bem seu papel de fazer o meio campo do governo com o grande capital. Mas queria mais: ser aceito no clube, ser recebido na sala de visitas. Tornou-se o Pedro Malan do PT, não apenas na orientação econômica, mas nos maneirismos adquiridos nos salões, na maneira de falar baixo, como gente fina.

Sua consultoria faz lobby, sim.

Juntando as informações que saem picadas na imprensa, percebe-se que provavelmente sua maior fonte de receita decorreu da operação de capitalização da WTorre pelo banco BTG Pactual.

A WTorre sempre foi uma empresa enrolada, com algumas operações complicadas. Adquiriu o esqueleto do prédio da Eletropaulo por R$ 385 milhões graças a ligações que tinha no antigo ABN Amro, que financiou a compra.

Depois o ABN foi adquirido pelo Santander. Mantida a influência da WTorre, o Santander adquiriu o complexo por mais de R$ 1 bilhão. Mas não resolveu os pepinos da construtora. Parte das dívidas junto a bancos e fornecedores foi transformada em capital, mas os pepinos continuaram.

No segundo semestre de 2010 começou a aproximação do Pactual com a WTorre. Justo no período em que Palocci assessorava a empresa.

Segundo matéria do Valor

Depois de tentar se capitalizar via mercado e de enfrentar uma situação financeira bastante delicada em 2010, o empresário Walter Torre conseguiu o que está sendo considerada pelo mercado a melhor solução possível para o seu negócio. Uma verdadeira reviravolta, no melhor dos clichês. A aproximação entre Walter Torre e André Esteves, do BTG Pactual, foi decisiva. O empresário precisava de capital e o banqueiro, de imóveis. Juntos, criaram a maior empresa de properties (imóveis de renda) do Brasil, com ativos de R$ 5,3 bilhões.

Provavelmente uma operação legítima, em que o maior banco de investimento brasileiro entrou no capital de uma grande empresa em dificuldade. Ganha o Pactual, ganha a WTorre e ganha o consultor que promoveu o casamento. E tudo indica que esse consultor foi Palocci.

A questão toda é a maneira como Palocci caiu nas boas graças do Pactual. Foi na época em que estava sendo negociado com o Goldman Sachs. O banco tinha pepinos de toda ordem junto à Receita. Tudo foi resolvido no Conselhinho da Fazenda, na época de Palocci Ministro.

Porque os jornalões não entram no tema central? Simples: porque alguns devem favores ao Pactual e outros querem parceria no futuro.

Com esses ingredientes, percebe-se um enorme jogo de hipocrisias de lado a lado. Dificilmente esses episódios serão aprofundados, porque aí se entra na seara da influência do Pactual. E nenhum jornalão vai escarafunchar onde seria necessário.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email