No Dia do Trabalhador, Bolsonaro diz a pecuaristas que não expropriará fazendas onde houver escravidão

Ao lado da ministra da Agricultura, prometeu que não regulamentará emenda constitucional que combate o trabalho forçado; Freixo reagiu: Brasil não tem presidente, mas um jagunço

Bolsonaro falou a pecuaristas (reprodução)
Bolsonaro falou a pecuaristas (reprodução) (Foto: Bolsonaro falou a pecuaristas (reprodução))
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Jair Bolsonaro aproveitou o 1o. de Maio, Dia do Trabalhador, para dar uma demonstração do lado em que ele se encontra.

Ao lado da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, ele disse que não regulamentará a emenda constitucional 92, que torna passível de exprapriação as propriedade em que for constatado o trabalho escravo.

"Nós devemos, sim, rever a emenda constitucional 81 de 2014, que tornou vulnerável a questão da propriedade privada. É uma emenda que ainda não foi regulamentada e, com toda certeza, não será regulamentada em nosso governo porque nós precisamos alterar isso que foi feito em 2014, tornando vulnerável repito a questão da propriedade privada", disse Bolsonaro durante sua participação na cerimônia de abertura da 86ª ExpoZebu, 

O deputado federal Marcelo Freixo, do PSOL do Rio de Janeiro, reagiu.

"O Brasil não tem um presidente, tem um jagunço, um despachante de bandido. Bolsonaro anunciou hoje, dia 1° de Maio, que não vai regulamentar a emenda constitucional que prevê a expropriação de terras de fazendeiros que exploram trabalho escravo. É o passe-livre da escravidão”, disse.

Em seu discurso, Bolsonaro disse também que em seu governo o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) deixou de "levar o terror ao campo", pois teriam perdido o repasse de Organizações não governamentais (ONGs).

"O nosso governo também poucas invasões tivemos no campo, tivemos então a perspicácia de buscar minar os recursos para o MST, acabamos com o repasse de ONGs para eles, então, eles perderam bastante força e deixaram de levar o terror ao campo", afirmou.

Segundo dados do Radar da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, em 111 dos 267 estabelecimentos fiscalizados em 2019, houve a caracterização da existência dessa prática com 1.054 pessoas resgatadas em situações desse tipo. 

O levantamento apresentado em j2021 aponta ainda que, no ano anterior, o número de denúncias aumentou, totalizando 1.213 em todo o país, enquanto em 2018 foram 1.127.




O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email