Nos EUA, Dilma passa mensagem de confiança no Brasil

Em Nova York, onde participa de reuniões privadas com investidores e empresários norte-americanos neste domingo (28), a presidente Dilma Rousseff afirmou que as turbulências com o desenrolar da Operação Lava Jato não são motivo para que o País deixe de ser atrativo para investimento de gigantes multinacionais; a presidente recebe 25 empresários brasileiros que têm investimentos de grande porte nos EUA; o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, reiterou as palavras da presidente sobre a garantia de "confiança" que o Brasil pode dar aos investidores. "A mensagem é: confiança no Brasil"

Em Nova York, onde participa de reuniões privadas com investidores e empresários norte-americanos neste domingo (28), a presidente Dilma Rousseff afirmou que as turbulências com o desenrolar da Operação Lava Jato não são motivo para que o País deixe de ser atrativo para investimento de gigantes multinacionais; a presidente recebe 25 empresários brasileiros que têm investimentos de grande porte nos EUA; o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, reiterou as palavras da presidente sobre a garantia de "confiança" que o Brasil pode dar aos investidores. "A mensagem é: confiança no Brasil"
Em Nova York, onde participa de reuniões privadas com investidores e empresários norte-americanos neste domingo (28), a presidente Dilma Rousseff afirmou que as turbulências com o desenrolar da Operação Lava Jato não são motivo para que o País deixe de ser atrativo para investimento de gigantes multinacionais; a presidente recebe 25 empresários brasileiros que têm investimentos de grande porte nos EUA; o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, reiterou as palavras da presidente sobre a garantia de "confiança" que o Brasil pode dar aos investidores. "A mensagem é: confiança no Brasil" (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em Nova York, onde participa de reuniões privadas com investidores e empresários norte-americanos neste domingo (28), a presidente Dilma Rousseff afirmou que as turbulências pelas quais passam o Brasil com o desenrolar da Operação Lava Jato não são motivo para que o País deixe de ser atrativo para investimento de gigantes multinacionais.

A presidente recebe 25 empresários brasileiros que têm investimentos de grande porte nos EUA, e entre as empresas estão Braskem - sociedade entre Odebrecht e Petrobras e que são investigadas na Lava Jato, JBS, Marfrig, Gerdau, Stefanini, Usiminas, Cosan e Suzano. Serão discutidas formas de expansão do setor produtivo no mercado americano.

Cerca de 470 executivos e representantes de grandes empresas, bancos e gestoras de recursos de Wall Street estão inscritos para participar de seminário sobre o plano de concessões em infraestrutura, que Dilma Rousseff vai encerrar na segunda-feira (29), antes de seguir para Washington.

O ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, reiterou as palavras da presidente sobre a garantia de "confiança" que o Brasil pode dar aos investidores. "A mensagem é: confiança no Brasil", disse Monteiro.

Para o ministro, os atrativos do Brasil são grandes para os estrangeiros, a despeito "das dificuldades conjunturais". Além das opções de projetos disponíveis, em aeroportos, portos, rodovias e ferrovias, Armando Monteiro lembra que "os ativos no Brasil estão baratos e os projetos, também", devido à forte desvalorização do real frente ao dólar.

Mesmo a crise comprova a solidez institucional do Brasil, defendeu Armando. "Até sobre isso (escândalo), olhando na perspectiva dos investidores, isso significa que o Brasil tem poderes independentes. Tem estruturas que atuam e que não são controladas por nenhuma instância (...) Isso é importante. Porque de resto problemas você tem em todos os lugares do mundo, no mundo corporativo, os Estados Unidos têm todo um registro... Esses problemas ocorrem".

O ministro disse ainda que o Brasil oferece outras condições fundamentais para os investidores. "O Brasil tem respeito a contratos. Pode melhorar o ambiente regulatório, claro que pode ainda, mas o Brasil tem uma institucionalidade, acho que é um país que interessa muito aos investidores".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247