Obama descarta o calote

Presidente americano tenta acalmar o mundo ao afirmar que os EUA encontraro uma soluo para o endividamento do pas

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O presidente dos EUA, Barack Obama, transmitiu hoje sua mensagem de encontrar uma "abordagem equilibrada" para cortar o déficit do país para eleitores jovens, dizendo que quer acabar com benefícios fiscais para empresas de petróleo e gestores de fundos de hedge em vez de cortar gastos com educação. O presidente também afirmou que o país não vai declarar moratória de sua dívida.

Obama disse, durante uma audiência de estudantes e professores da Universidade de Maryland, que está ainda comprometido com o pacote de redução de déficit que inclui aumentos de impostos. "Se nós não tivermos qualquer receita para ajudar a fechar essa lacuna, então muitas pessoas comuns serão prejudicadas", destacou Obama.

"E isso não faz qualquer sentido", continuou o presidente. "Isso não é justo".

O discurso de Obama ocorre em meio a um esforço caótico da Casa Branca e líderes do Congresso para fechar um acordo sobre como reduzir o crescente déficit do país e impedir que os EUA deixem de pagar sua dívida.

Mas os líderes estão sob a mira da arma. Se o Congresso não elevar o teto da dívida do país até 2 de agosto, os EUA declararão moratória (default) de suas obrigações, possivelmente agitando os mercados financeiros e fazendo com que a economia entre em recessão.

Obama afirmou que os EUA elevarão o teto da dívida. No entanto, um acordo para reduzir o déficit parece mais tênue. Segundo fontes com conhecimento do assunto, o presidente dos EUA e o porta-voz da Câmara dos Representantes, John Boehner, estão se movimentando em direção a um acordo.

O plano em estudo iria cortar até US$ 3 trilhões em gastos e revisar o código tributário até o final do próximo ano para levantar até US$ 1 trilhão.

Perguntado sobre se a emenda 14 da Constituição oferece margem de manobra para elevar o teto da dívida da nação sem aprovação do Congresso, Obama respondeu que seus advogados não estão convencidos que é esse um "argumento correto."

O Senado dos EUA concordou em abandonar qualquer consideração de uma proposta orçamentária republicana, potencialmente pavimentando o caminho para um acordo bipartidário entre o governo Obama e o Congresso.

Os votos favoráveis para abandonar a consideração da proposta aprovada na Câmara dos Representantes no início desta semana totalizaram 51 ante 46 contrários.

Ao impedir que a proposta siga em frente, os democratas esperam agilizar o processo para chegar a um compromisso aceitável para aumentar o limite de dívida de US$ 14,29 trilhões, algo que deve ser concluído antes de 2 de agosto.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email