OIT: desemprego aumentará em 2015 no continente

As taxas de desemprego na América Latina e no Caribe devem subir no ano que vem, de acordo com o relatório Panorama Laboral 2014, da Organização Internacional do Trabalho; a taxa de desemprego urbano no terceiro trimestre de 2014 era 6,2%, devendo fechar o ano com uma taxa de 6,1%, abaixo dos 6,2% de 2013; em 2015, no entanto, o setor vai sentir os efeitos do arrefecimento da economia; "A maior preocupação é que menos empregos estão sendo criados", disse a diretora regional da OIT para a América Latina e o Caribe, Elizabeth Tinoco

As taxas de desemprego na América Latina e no Caribe devem subir no ano que vem, de acordo com o relatório Panorama Laboral 2014, da Organização Internacional do Trabalho; a taxa de desemprego urbano no terceiro trimestre de 2014 era 6,2%, devendo fechar o ano com uma taxa de 6,1%, abaixo dos 6,2% de 2013; em 2015, no entanto, o setor vai sentir os efeitos do arrefecimento da economia; "A maior preocupação é que menos empregos estão sendo criados", disse a diretora regional da OIT para a América Latina e o Caribe, Elizabeth Tinoco
As taxas de desemprego na América Latina e no Caribe devem subir no ano que vem, de acordo com o relatório Panorama Laboral 2014, da Organização Internacional do Trabalho; a taxa de desemprego urbano no terceiro trimestre de 2014 era 6,2%, devendo fechar o ano com uma taxa de 6,1%, abaixo dos 6,2% de 2013; em 2015, no entanto, o setor vai sentir os efeitos do arrefecimento da economia; "A maior preocupação é que menos empregos estão sendo criados", disse a diretora regional da OIT para a América Latina e o Caribe, Elizabeth Tinoco (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Brasil
 
As taxas de desemprego na América Latina e no Caribe devem subir no ano que vem, de acordo com o relatório Panorama Laboral 2014, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), lançado nesta quinta-feira (11). Um dos motivos é a desaceleração econômica. Segundo o estudo, a queda do desemprego registrada este ano não deve ocorrer em 2015.

A taxa de desemprego urbano no terceiro trimestre de 2014 era 6,2%, devendo fechar o ano com uma taxa de 6,1%, abaixo dos 6,2% de 2013. Em 2015, no entanto, o setor vai sentir os efeitos do arrefecimento da economia. "A maior preocupação é que menos empregos estão sendo criados", disse a diretora regional da OIT para a América Latina e o Caribe, Elizabeth Tinoco.

Segundo o estudo, a queda no desemprego em 2014 se explica pela saída de pessoas do mercado de trabalho, o que se refletiu na taxa de pessoas em idade economicamente ativa, indicadas como ocupada ou desempregada. Elisabeth explicou que essas pessoas, no entanto, devem voltar a participar dessa estatística em 2015.

“Muitas das pessoas que deixaram o mercado de trabalho temporariamente, em 2014, voltarão a procurar um novo emprego no próximo ano, além dos jovens que irão ingressar no mercado de trabalho. A região precisa criar quase 50 milhões de empregos nos próximos dez anos apenas para compensar o crescimento demográfico”.

Conforme o relatório, a taxa de desemprego poderá chegar a 6,3%. O acréscimo de 0,2% significa mais 500 mil desempregados na América Latina e no Caribe.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247