OIT prevê que emprego precário atingirá 1,4 bilhão de trabalhadores em 2019

Segundo o relatório “Perspectivas sociais e de emprego no mundo: tendências 2018", divulgado pela Organização Internacional do Trabalho nesta segunda-feira (22), o mundo terá menos desempregados, mas a ocupação vulnerável, sem proteção social, vai ganhar força nos próximos dois anos; no Brasil, o processo será ainda mais intenso: a taxa de desemprego cairá para 11,2% em 2019, mas o número de trabalhadores em empregos precários subirá de 25,3 milhões em 2017 para 26,8 milhões em 2019, segundo a OIT

desemprego
desemprego (Foto: Charles Nisz)

247 - Segundo o relatório “Perspectivas sociais e de emprego no mundo: tendências 2018", divulgado pela Organização Internacional do Trabalho nesta segunda-feira (22), o mundo terá menos desempregados, mas a ocupação vulnerável, sem proteção social, vai ganhar força nos próximos dois anos. 

Após três anos de alta, a taxa de emprego ficará estável em 5,5%, mas o número dos empregados em situação precária somará 1,426 bilhão em 2019, 35 milhões a mais que no ano passado. No Brasil, o processo será ainda mais intenso: a taxa de desemprego cairá para 11,9% este ano e para 11,2% em 2019, mas o número de trabalhadores em empregos precários subirá de 25,3 milhões em 2017 para 26,8 milhões em 2019, segundo a OIT

Segundo Veronica Escudero, economista Sênior do Departamento de Pesquisa da OIT, no Brasil, 25% dos dois milhões ocupações que serão criadas este ano no Brasil serão precárias. A alta taxa  de informalidade, de 45%, é outro problema no Brasil, quando comparado com economias de maior renda na América Latina.

Para Santo Milasi, economista da OIT, é importante reconhecer a urgência de se combater a deterioração das condições do mercado de trabalho. O processo de redução dos empregos precários na América Latina está paralisado desde 2012. O relatório estima que 42,7% da mão de obra empregadas esteja em ocupações precárias em 2019. A taxa foi de 42,5% no ano passado.

Segundo o relatório, o envelhecimento da população fará a produtividade cair no mundo. "Além do desafio que um número crescente de aposentados cria para os sistemas de pensão, uma força de trabalho cada vez mais velha também deve ter um impacto direto nos mercados de trabalho. O envelhecimento pode reduzir a produtividade e diminuir os ajustes do mercado de trabalho após choques econômicos", avisa o Diretor Interino do Departamento de Pesquisa da OIT, Sangheon Lee.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247