Operador de propina movimentou R$ 1,8 bilhão em bancos

O empresário paulista e operador financeiro, Adir Assad, preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, disse em depoimento à Justiça que movimentou cerca de R$ 1,8 bilhão através de 14 agências de seis bancos, segundo reportagem do Estado de São Paulo. Usando empresas de fachada, o operador transformava notas frias emitidas por empreiteiras em dinheiro em espécie. Segundo Assad, o destino do dinheiro era operadores de propina e agentes públicos.

www.brasil247.com - Operador de propina movimentou R$ 1,8 bilhão em bancos
Operador de propina movimentou R$ 1,8 bilhão em bancos (Foto: Agência Brasil)


Brasil 247 - O empresário paulista e operador financeiro, Adir Assad, preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba, disse em depoimento à Justiça que movimentou cerca de R$ 1,8 bilhão através de 14 agências de seis bancos, segundo reportagem do Estado de São Paulo. Usando empresas de fachada, o operador transformava notas frias emitidas por empreiteiras em dinheiro em espécie. Segundo Assad, o destino do dinheiro era operadores de propina e agentes públicos.

Preso pela Lava Jato, Assad prestou depoimento ao juiz Marcelo Bretas, titular da Operação no Rio de Janeiro, e disse que conquistava os gerentes das agências através de "mimos", jamais pagando propina diretamente. “Comprávamos seguros, fechávamos consórcios, oferecíamos para os gerentes ingressos de shows e eventos”, contou Assad, que também atuava no setor de eventos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email