Pacote de Guedes acaba com fundos públicos e direciona dinheiro para banqueiros e rentistas

Todo o dinheiro destinado a 248 fundos públicos, num total estimado em R$ 220 bilhões, será direcionado para os banqueiros e rentistas sob o rótulo de "pagamento da dívida pública". É o que prevê o pacote econômico Guedes-Bolsonaro apresentado nesta terça. Outros recursos do Estado voltados a programas sociais terão o mesmo fim

247 - O pacote econômico de Paulo Guedes e Jair Bolsonaro apresentado ao Congresso Nacional nesta terça-feira (5) prevê o direcionamento de recursos públicos inéditos para os ricos do país,  sob o eufemismo de “pagamento da dívida pública”. Nada menos que 248 fundos públicos devem ser extintos. Um deles é o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), que destina recursos para programas como o seguro-desemprego e o abono salarial. Todos os recursos serão destinados ao pagamento dos juros da dívida pública, que beneficia banqueiros e rentistas. Só com a extinção dos fundos R$ 220 bilhões serão direcionados para a o pagamento dos juros da dívida pública. 

Banqueiros, empresários, juízes, delegados, parlamentares, fazendeiros, rentistas de todo o calibre e, claro, donos dos meios de comunicação conservadores: a eles se destinará quase  com exclusividade os recursos do Estado. Além da extinçao dos fundos, o pacote de Guedes, inspirado no modelo chileno que levou a um estado de sublevação popular, direciona todos os recursos do Estado que deixam de ser destinados a programas sociais, edução e saúde para a dívida pública.

No total, existem 281 fundos públicos de diferentes tipos. Ficariam preservados apenas 33 deles, como o FPM (Fundo de Participação dos Municípios), o FPE (Fundo de Participação dos Estados), o FCO (Fundo de Financiamento do Centro-Oeste), o FNE (Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste) e o FNO (Fundo Constitucional de Financiamento do Norte). 

Ao vivo na TV 247 Youtube 247