Painho Nizan procura uma cozinheira para lhe abanar

Publicitrio transforma artigo de opinio em classificado depois de constatar que o Brasil progrediu e queficou difcilencontrar empregados domsticos; quem quiser cozinhar para ele, pode mandar o currculo para [email protected]

Painho Nizan procura uma cozinheira para lhe abanar
Painho Nizan procura uma cozinheira para lhe abanar (Foto: PAULO GIANDALIA/AGÊNCIA ESTADO)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O publicitário Nizan Guanaes, dono da agência África, que trabalha a imagem de marcas como Itaú e Brahma, acaba de descobrir, por experiência própria, que o Brasil progrediu muito nos últimos anos. O motivo: ele não tem conseguido encontrar uma cozinheira que lhe atenda. “Não é mais fácil encontrar empregados domésticos no nosso prezado país”, diz Nizan, em artigo publicado nesta terça-feira na Folha de S. Paulo.

Mas como Nizan precisa de uma cozinheira para as festas de fim de ano, ele decidiu transformar seu espaço de opinião num classificado de emprego. Deu até o seu email – [email protected] – para quem estiver disposto a enviar um currículo. O artigo faz com que Nizan se pareça com o “Painho”, personagem de Chico Anysio, que vivia cercado de baianas, sempre prontas a lhe abanar. Leia, abaixo, o texto do publicitário, que traduz uma nova realidade econômica brasileira – uma realidade que aproxima a Casa Grande da Senzala e reduz a oferta de cozinheiras para famílias abastadas.

Mas, antes, um vídeo de John Lennon, chamado "Woman is the nigger of the world", que, se Nizan conhecesse, poderia ter evitado a publicação do seu malfadado artigo:

 

Agora, sim, o artigo de Nizan na Folha:

Procura-se uma grande cozinheira

NIZAN GUANAES

Estou há anos procurando uma cozinheira de mão-cheia. Uma Dona Flor, mas que não precisa ter o corpo da Sônia Braga -precisa é cozinhar mesmo. Fazer aquela grande e vasta comida brasileira. E se ainda souber fazer comida baiana, melhor ainda. Um bom mal-assado, uma feijoada como se come lá nas festas do terreiro do Gantois.

Não precisa saber cozinha francesa e italiana. Porque a cidade já dispõe de grandes restaurantes para isso.

Precisa, sim, de leitão a pururuca, de sequilhinhos, de um belo bolo de laranja. Tendo mão e alma boa, não precisa nem ter gênio bom. Basta ser divina. Como a cozinheira da grande estilista Lenny Niemeyer, que faz todos os domingos o melhor almoço do Brasil.

Escrevo este artigo porque acredito muito na força mobilizadora da mídia impressa, dos jornais que todos os dias entram na nossa casa cedinho gritando as notícias em silêncio.

Escrevo também para lembrar que os primeiros anúncios publicitários feitos neste país foram de coisas triviais como vender um burro, achar um cão perdido ou buscar uma cozinheira.

O peixe que um anúncio vende pode ser vender um carro, um perfume, recrutar uma cozinheira, mas anúncios são feitos para vender o peixe.

Os melhores anúncios são aqueles que se não se esquecem disso.

Que não se esquecem de que a propaganda foi feita para chamar a atenção da pessoa, para reter o leitor, o telespectador. Como você já está lendo este texto por alguns parágrafos, é sinal de que estou sendo bem-sucedido nessa função.

O título "Procura-se uma grande cozinheira" é chamativo. Porque é inesperado. Sobretudo no caderno Mercado da Folha.

Títulos têm de ser inesperados, senão ninguém lê anúncio. E as pessoas, como você bem sabe, não nasceram para ler anúncios.

A chamada é verdadeira. Não é propaganda enganosa. Porque preciso de fato de uma cozinheira.

É verdade que a quituteira que procuro talvez não leia este caderno. Mas a Folha é o jornal mais lido em todo o país e certamente deve ter alguém entre seus leitores que pode conhecer a minha prenda.

Estamos chegando ao final do ano, ao período de Natal, as pessoas estão imbuídas do espírito natalino e podem fazer essa boa ação para um ex-gordo como eu.

Portanto, se você conhece uma grande cozinheira, mande um e-mail para [email protected] É óbvio que preciso de referências. Melhor ainda se forem de gourmets ou gordos, de pessoas de colesterol e acido úrico altos.

A razão do meu desespero por uma cozinheira é fruto do bom momento econômico do Brasil.

Como em qualquer país que se preze, graças a Deus não é mais fácil encontrar empregados domésticos no nosso prezado país.

As pessoas querem ter seu próprio negócio, abraçar profissões "mais nobres". E isso é ótimo para elas e para o país.

É uma mudança transformadora, que nos impacta das melhores maneiras possíveis, mas também nos coloca na desesperadora e cafajeste situação de desejar a cozinheira do próximo.

Peço aos leitores que sejam solidários comigo e aos jovens redatores de propaganda que lembrem o que o grande guru da propaganda David Ogilvy me ensinou: propaganda é para vender.

Ela tem de ser sedutora, confiável e vendedora como um bom corretor de imóvel. Seja o anúncio de um celular, seja o anúncio procurando uma cozinheira, ele tem de ter impacto, eficiência e graça.

Se não entretém, não chama a atenção e não vende, não é boa propaganda. Propaganda tem de ter molho e sal. E ser feito por gente que tem boa mão.

Espero que este artigo-anúncio classificado atinja seus objetivos. E que graças à força da Folha e de santo Expedito eu encontre a minha tão sonhada cozinheira.

Aliás, cozinheira anda tão difícil que hoje a gente não pede mais para santo Expedito, a gente pede é para santo Antônio.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email