Para o FMI, Cristina manipula índices de inflação

De acordo com o Fundo Monetrio Internacional, os dados apresentados pelo governo argentino so inconsistentes

Para o FMI, Cristina manipula índices de inflação
Para o FMI, Cristina manipula índices de inflação (Foto: REUTERS/Martin Acosta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou que nos próximos dias vai avaliar o índice de inflação elaborado pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec) da Argentina. Há suspeitas de que os governos do ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007) e de sua mulher e sucessora, Cristina Kirchner, manipulam o indicador.

O organismo destacou que "não serão aplicadas sanções contra a Argentina". No entanto, também indicou que não descarta a avaliação de "medidas baseadas nas recomendações que farão os integrantes da diretoria (do Fundo)".

Nos últimos anos, o Fundo fez várias críticas ao sistema do Indec. Mas, em julho passado, o governo Kirchner - representado pelo então ministro da Economia, Amado Boudou, atual vice-presidente -, comprometeu-se com representantes do FMI a "melhorar" e "normalizar" as estatísticas, especialmente as relativas à inflação.

O prazo de 180 dias dado pelo Fundo para que o governo argentino comece a aplicar as recomendações dadas por duas missões técnicas do Fundo venceu ontem. Nesse período, o governo Kirchner não apresentou nenhuma medida para a "normalização" dos índices.

Ao longo de 2011, o governo da presidente Cristina deixou de lado o tom de confronto utilizado durante anos com o FMI. No ano passado, quando foi reeleita, Cristina Kirchner - pela primeira vez desde que o kirchnerismo chegou ao poder em 2003 - não utilizou slogans contra o FMI numa campanha eleitoral.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email